Produção industrial surpreende e avança 0,6% em maio, melhor resultado em quase 1 ano

quinta-feira, 2 de julho de 2015 12:00 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A produção industrial brasileira surpreendeu em junho ao subir 0,6 por cento com a retomada do crescimento em bens de consumo e bens de capital, interrompendo três meses de queda e no melhor resultado em quase um ano, mas insuficiente para mudar os rumos do setor neste ano.

O resultado mensal é o melhor desde julho de 2014 (+0,8 por cento), entretanto ainda é pouco para recuperar a perda acumulada de 3,2 por cento entre fevereiro e abril. Assim, o setor industrial acumula perdas de 6,9 por cento nos cinco primeiros meses de 2015, informou o Instituto Brasileiro de Geografia a Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Na comparação com o mesmo mês de 2014, a produção caiu 8,8 por cento, 15ª taxa negativa nessa base de comparação e a segunda mais acentuada neste ano.

"Claro que uma informação positiva sempre é melhor do que uma manutenção de quedas. Mas ela não reverte a trajetória de queda da indústria ou recupera a perda que vem desde setembro para cá, até por que nas demais comparações os resultados são negativos e há disseminação", destacou o economista do IBGE André Macedo.

Tanto a leitura mensal quanto a anual foram bem melhores do que as expectativas em pesquisa da Reuters, respectivamente de recuos de 0,60 por cento e de 10,20 por cento.

Para analistas, ainda é muito difícil prever quando será o ponto de virada para a indústria, cuja contração neste ano é certa.

"O nível está tão baixo que qualquer alicate, qualquer escada de obra puxa para cima. Mas o cenário geral da indústria não melhora. Alguns pontos sofrem com o efeito da renda, como têxtil e vestuário. Já alimentação têm a ver com a inflação", destacou o economista-chfe do Banco Fator, José Francisco Gonçalves.

  Continuação...

 
Funcionário carrega porta de um Ford na linha de montagem da empresa em São Bernardo do Campo. 13/08/2013 REUTERS/Nacho Doce