Petrobras chega a acordo para manter obras de plataformas em Rio Grande

quinta-feira, 2 de julho de 2015 19:39 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras e o consórcio QGI, formado por Queiroz Galvão e Iesa Óleo e Gás, chegaram a acordo para construção dos módulos e integração das plataformas P-75 e P-77, no estaleiro do consórcio no Polo Naval de Rio Grande (RS), disse nesta quinta-feira o prefeito da cidade, Alexandre Lindenmeyer.

Representantes do QGI se reuniram com a diretoria de Engenharia, Tecnologia e Materiais da Petrobras nesta quinta, para discutir se as obras permaneceriam no estaleiro brasileiro, explicou o prefeito.

As duas plataformas estão destinadas ao campo de Búzios, na cessão onerosa, no pré-sal da Bacia de Santos, com bastante atraso em relação ao previsto. As obras foram interrompidas após uma disputa entre QGI e Petrobras sobre valores de aditivos.

"Chegaram a um acordo em relação aos pontos de divergência de projeto", afirmou Lindenmeyer, explicando desconhecer os termos do acordo. "Estamos apenas esperando que assinem a ata."

Após o fechamento do negócio, o prefeito calcula que seja possível retomar as obras dentro de 30 a 60 dias. Dentre os principais pontos para a retomada do projeto, o prefeito citou a mobilização de funcionários.

A Queiroz Galvão e a Iesa estão entre as empresas investigadas na operação Lava Jato, da Polícia Federal, que apura esquema de desvio de dinheiro de contratos com a Petrobras por empreiteiras, políticos e executivos de diversas companhias.

Procurada, Petrobras e Queiroz Galvão, líder do consórcio QGI, não responderam imediatamente.

(Por Marta Nogueira)