Atividade da zona do euro deixa Grécia de lado e expansão tem máxima de 4 anos, mostra PMI

sexta-feira, 3 de julho de 2015 08:00 BRT
 

Por Jonathan Cable

LONDRES (Reuters) - A atividade empresarial da zona do euro cresceu no ritmo mais rápido em quatro anos no mês passado, ma vez que o pacote de estímulo do Banco Central Europeu (BCE) mais do que compensou os temores sobre uma possível saída da Grécia da união monetária, mostrou a Pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

A indústria de serviços deixou de lado os temores sobre a Grécia e elevou a atividade no ritmo mais rápido desde meados de 2011, sugerindo que a inflação baixa e o programa de compra de bônus do BCE está impulsionando os gastos entre os consumidores e as empresas.

O PMI Composto final de junho, que combina as atividades industrial e de serviços e é considerado um bom guia sobre o crescimento, foi a 54,2, contra preliminar de 54,1 e bem acima dos 53,6 de maio.

Essa foi a leitura mais alta desde maio de 2011. Com isso o índice permanece acima da marca de 50 que separa crescimento de contração há dois anos.

"Apesar da escalada da crise grega na segunda metade do mês, o PMI final de junho ficou ligeiramente acima da estimativa preliminar, sugerindo que os problemas tiveram até agora pouco impacto visível na economia real", disse Chris Williamson, economista-chefe do Markit.

O PMI de serviços subiu para 54,4, ante 53,8 em maio, igualando a estimativa preliminar.

 
Moedas do euro em frente bandeira em fotografia ilustrativa.  28/05/2015    REUTERS/Dado Ruvic