Fechamento de bancos na Grécia deixa gregos no exterior em situação difícil

sexta-feira, 3 de julho de 2015 10:20 BRT
 

Por Costas Pitas

LONDRES (Reuters) - A vida já era difícil para Vassilis, que deixou Atenas no mês passado para procurar trabalho em Londres, com cerca de 2.000 libras (3.000 dólares) no bolso, mas a situação se agravou porque ele não conseguiu um emprego tão rapidamente como esperava.

Nos últimos dias tem sido muito mais difícil. Ele tem dinheiro em sua conta bancária grega, mas o limite de 60 euros em saques bancários imposto no fim de semana significa que ele não pode acessá-lo sem pagar taxas elevadas para cada pequena quantia, o que acaba devorando suas economias.

Tendo gasto mais da metade de seu dinheiro em hospedagem, alimentação e transporte, esse engenheiro eletrônico, de 38 anos, está agora em uma corrida contra o tempo para se estabelecer na Inglaterra e assim não precisar usar suas últimas notas com a passagem de volta para casa.

"Essas pessoas na Grécia me destruíram", disse ele, recusando-se a dar seu nome completo. "Se eles não elevarem o limite de saques em dinheiro, não posso continuar a viver aqui, e quero viver aqui na Inglaterra porque quero encontrar um emprego", disse Vassilis, que deixou a terra natal depois de ter ficado vários anos desempregado.

Longas filas se formaram em máquinas de dinheiro na Grécia desde o fechamento dos bancos na segunda-feira. Na Grã-Bretanha, para onde milhares de gregos foram trabalhar, estudar ou visitar parentes e amigos, muitos dizem que seus cartões de débito e crédito não funcionam mais em caixas eletrônicos ou quando eles tentam fazer compras online.

Um documento do Ministério de Relações Exteriores da Grécia datado de 30 de junho, e enviado para embaixadas gregas –e ao qual a Reuters teve acesso–, indica que as autoridades estavam tentando mitigar o impacto do controle de capital nos cidadãos que estão no estrangeiro, especialmente estudantes e turistas.

Mas, dias depois, muitos ainda estavam encontrando nos caixas eletrônicos mensagens como: "A operação selecionada não pode ser aprovada neste momento. Por favor, entre em contato com o emissor do cartão". Outros não estão conseguindo efetuar nem mesmo as transações online mais baratas e essenciais.

 
Cartaz da campanha pelo "Não" no referendo da Grécia ao lado de caixa eletrônico em Atenas. 03/07/2015 REUTERS/Jean-Paul Pelissier