Gregos no exterior aconselham amigos e voltam para casa para referendo

sexta-feira, 3 de julho de 2015 11:13 BRT
 

Por Rachel Armstrong e Laila Kearney

CINGAPURA/NOVA YORK (Reuters) - A enorme comunidade grega no exterior está cobrando uma postura de amigos e familiares para o referendo do próximo domingo, e há aqueles que, de tão envolvidos com o assunto, estão comprando passagens caras para voltar à terra natal para votar.

Uma companhia aérea criou novos voos e os preços dos bilhetes aumentaram para os expatriados que querem opinar se a Grécia deve aceitar o acordo de financiamento em troca de reformas proposto por seus credores internacionais ou rejeitá-lo, o que poderia levar à saída da zona do euro.

Konstantinos Dimitriou, um consultor administrativo que vive em Cingapura, irá pegar um avião no começo do sábado e fazer uma viagem de 19 horas até Atenas para votar pelo "sim" ao acordo.

“Todas as oportunidades que tive em minha vida para crescer vieram em parte do relacionamento da Grécia com a Europa, e não só do meu passaporte grego”, disse, afirmando que o padrinho de seu casamento também irá voar de Nova York para votar, assim como dois amigos de Dublin e um ex-parceiro de negócios da Suécia.

Nascido em Nova Jersey, John Sitilides, especialista em relações internacionais que presta consultoria para o Departamento de Estado dos Estados Unidos em temas relacionados à Grécia, declarou que muitos gregos e grego-norte-americanos nos EUA estão fazendo lobby entre os eleitores.

“Estão mandando e-mails, estão no Facebook, estão no Twitter e no telefone”, contou.

A iniciativa é sobretudo em defesa do "sim", disse Sitilides, um resultado que seus apoiadores acreditam que irá manter a Grécia na zona do euro e provavelmente levará à queda do governo do primeiro-ministro de esquerda,

Alex Tsipras.

(Reportagem adicional de Costas Pitas em Londres e Mary Wisniewski em Chicago)