Dilma defende papel dos Brics ante crise e diz que toma medidas para retomar crescimento

quinta-feira, 9 de julho de 2015 13:49 BRT
 

(Reuters) - A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta quinta-feira, em cúpula dos Brics na Rússia, a necessidade de reforçar a atuação desses países diante da crise internacional, e reiterou que o governo brasileiro vem tomando as medidas necessárias para retomar o crescimento econômico.

Em discurso durante encontro de chefes de Estado e de governo dos Brics com o Conselho Empresarial do grupo, Dilma destacou a importância do comércio e do investimento entre os integrantes do bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e disse estimular a presença de investidores dos Brics no programa de investimento em infraestrutura recentemente lançado pelo governo.

“Neste momento de crise internacional, nós devemos reforçar, cada vez mais, o papel dos Brics, tão importante para o desenvolvimento global”, disse a presidente no encontro empresarial na cidade russa de Ufá, segundo discurso divulgado pela Presidência.

“No Brasil, estamos fortalecendo nossas políticas macro e microeconômicas para retomar, o mais breve possível, o crescimento sustentável da economia.”

Em discurso durante sessão plenária da cúpula dos Brics, a presidente referiu-se aos países emergentes, em especial os que integram o bloco, como a “força motriz do crescimento global”.

Dilma aproveitou as reuniões na Rússia para reafirmar que o Novo Banco de Desenvolvimento dos Brics será importante na intermediação de recursos para projetos de infraestrutura, ressaltando a necessidade de que seja “ágil e eficaz” para conseguir realizar suas primeiras operações no início de 2016.

A presidente disse ainda estar “satisfeita” com a assinatura há dois dias de acordo operacional entre os bancos centrais dos países para permitir a implementação do Arranjo Contingente de Reservas no dia 30 de julho.

GOVERNANÇA NA INTERNET   Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff e presidente russo, Vladimir Putin, em Ufá, na Rússia. 09/07/2015 REUTERS/Sergei Karpukhin