Governo pretende manter meta de superávit primário, diz Dilma

sábado, 11 de julho de 2015 11:23 BRT
 

(Reuters) - A presidente Dilma Rousseff disse neste sábado, durante viagem à Itália, que o governo não pretende reduzir a meta de superávit primário, embora a questão esteja sempre em avaliação.

"Nós queremos manter a meta, é isso que nós queremos. Não houve nenhuma decisão, o Planejamento não está ainda colocando isso, de maneira alguma... Agora, a gente avalia sempre, e vamos fazer todos os esforços para manter a meta", disse a presidente durante visita ao Pavilhão do Brasil na Expo Milão 2015, segundo transcrição fornecida pelo Palácio do Planalto.

O relator do Orçamento de 2015, senador Romero Jucá (PMDB-RR), anunciou esta semana que vai propor em seu relatório a redução da meta de superávit primário - que é a economia para o pagamento dos juros da dívida-- para 22,1 bilhões de reais, ou o equivalente a 0,4 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), contra o nível atual de 66,3 bilhões de reais, ou 1,1 por cento PIB. Também será proposta a redução da meta fiscal para o próximo ano 2 para 1 por cento do PIB.

Jucá disse que a proposta é sua e que não foi acertada com a equipe econômica do governo.

Dilma disse ainda que é "impossível o Brasil sustentar um reajuste" de até 78,56 por cento para servidores do Judiciário, conforme foi aprovado recentemente pelo Senado.

"Nem em momentos de grande crescimento se consegue garantir reajustes de 70 por cento. Muito menos num momento em que o Brasil precisa de fazer um grande esforço para voltar a crescer", afirmou Dilma, que deverá decidir se sanciona ou veta o reajuste.

"Certos valores, certas quantidades de recursos que algumas leis exigem... são impraticáveis. O país não pode fazer face a isso", disse a presidente.

O impacto do reajuste previsto para o orçamento seria de mais de 25 bilhões de reais nos próximos quatro anos.

(Por Gustavo Bonato, em São Paulo)