15 de Julho de 2015 / às 15:14 / 2 anos atrás

Área agrícola do Brasil deve crescer 1,5% ao ano na próxima década, dizem FAO e OCDE

BRASÍLIA (Reuters) - A área destinada às principais culturas agrícolas brasileiras deverá crescer a uma taxa média de 1,5 por cento ao ano nos próximos dez anos, com destaque para cana-de-açúcar, enquanto os preços devem permanecer relativamente estáveis quando ajustados pela inflação, estimaram a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

No relatório "Perspectivas Agrícolas: desafios para a agricultura brasileira 2015-2024", lançado nesta quarta-feira no país, as instituições previram que o uso da terra para as principais safras em 2024 --incluindo oleaginosas, cereais, cana e algodão - deve chegar a 69,4 milhões de hectares, avanço de 20 por cento sobre a área média durante os anos de 2012 a 2014.

A expansão será puxada por um aumento de 37 por cento na área destinada à cana. Para a produção de algodão, a alta estimada no período é também expressiva, de 35 por cento, enquanto para oleaginosas o avanço esperado é de 23 por cento.

Já em bases absolutas, as oleaginosas, principalmente a soja, continuarão dominando o uso das áreas agrícolas do país, respondendo por quase metade da área de cultivo adicional em 2024.

Para o representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, o país tem "amplas possibilidades" de ser o principal exportador de alimentos para o mundo nos próximos 10 anos, embora ainda sejam necessários aperfeiçoamentos na infraestrutura logística para que isso aconteça.

Atualmente, o Brasil é o maior fornecedor mundial de açúcar, suco de laranja e café, e o segundo de soja, atrás dos Estados Unidos. O Brasil também é grande produtor de milho, arroz, carne bovina, tabaco e aves.

IMPACTO DA CHINA

FAO e OCDE apontaram que as exportações de oleaginosas do Brasil para a China deverão subir para 47 milhões de toneladas em 2024, ante 31 milhões em 2014.

Contudo, poderá haver impacto sobre as exportações agrícolas brasileiras se o crescimento econômico da China for inferior ao esperado.

Após a economia chinesa ter exibido crescimento médio de cerca de 9 por cento ao ano nos últimos 10 anos, para os próximos 10 anos a expectativa é de um crescimento médio inferior, de 5,5 por cento ao ano.

Se a taxa de crescimento da China ficar 25 por cento abaixo dessa projeção, as exportações de oleaginosas brasileiras serão 1,4 milhão de toneladas mais baixas em 2024.

O texto também apontou que iguais tendências podem ser vistas para outras commodities, com "forte repasse das importações chinesas para as exportações brasileiras nos casos de açúcar e aves, mas uma transmissão mais fraca de óleo vegetal e algodão".

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below