Bovespa fecha em queda por exterior frágil e atenta à missão da Moody's

quarta-feira, 15 de julho de 2015 18:09 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou em queda nesta quarta-feira, interrompendo sequência de três altas, em meio à debilidade de Wall Street e com preocupações sobre um eventual corte na nota de crédito brasileira pela agência Moody's endossando a cautela.

O Ibovespa caiu 0,63 por cento, a 52.902 pontos.

O giro financeiro ficou novamente abaixo da média do ano, totalizando 5 bilhões de reais, em sessão que também incluiu vencimento dos contratos de opções sobre o Ibovespa.

As bolsas em Nova York perderam o fôlego durante a sessão, afetadas pela fraqueza de ações de energia diante da queda dos preços do petróleo, que prevaleceu à reação positiva inicial de comentários da chair do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

Ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados dos EUA, Janet Yellen disse que a turbulência externa não deve afetar a maior economia do mundo e que o Fed continua no caminho de elevar a taxa de juros neste ano.

Na Grécia, após concordar relutantemente em negociar o terceiro resgate de credores internacionais sob termos duríssimos, o premiê Alexis Tsipras encara uma rebelião em seu partido para aprovar no Parlamento abrangentes reformas pró-mercado e cortes no orçamento.

Ministros de Finanças da zona do euro irão realizar uma teleconferência na quinta-feira, quando devem discutir o resultado da votação grega.

No Brasil, o início da missão da agência de classificação de risco Moody's, que tem reuniões com integrantes da equipe econômica, corroborou o conservadorismo na bolsa por preocupações quando a um corte na nota de crédito brasileira, atualmente em "Baa2" com perspectiva negativa.   Continuação...