EXCLUSIVO-Peru envia promotores ao Brasil para investigar alegações de corrupção em projeto regional

segunda-feira, 20 de julho de 2015 20:00 BRT
 

Por Marco Aquino e Brad Haynes

LIMA/SÃO PAULO (Reuters) - Promotores peruanos planejam visitar o Brasil neste mês para reunir evidências sobre supostas práticas de suborno ligadas a um projeto viário transcontinental, afirmou o procurador-geral do Peru em entrevista, o que dá uma dimensão regional a um dos maiores escândalos da história do país.

A missão apresentada pelo procurador-geral peruano, Pablo Sánchez, é o sinal público mais aparente de uma cooperação internacional sobre um caso que levou à prisão chefes de grandes grupos brasileiros do setor de construção, à medida que a polícia vasculha registros em busca de provas sobre formação de cartel.

O interesse regional na investigação aumentou no mês passado, quando a Polícia Federal prendeu o presidente do grupo Odebrecht, maior construtora da América Latina. A prisão do executivo colocou bilhões de dólares em projetos de infraestrutura sob escrutínio por toda a região.

O Equador iniciou auditorias de contratos da companhia. O vice-presidente da Colômbia alertou que a empresa poderia ser proibida de participar de concorrências públicas por décadas. Investigadores nos Estados Unidos e no Panamá também têm colaborado com autoridades brasileiras.

As investigações alarmaram as bem-conectadas construtoras do Brasil, que têm superado rivais chinesas e europeias em megaprojetos de infraestrutura e energia na América Latina.

Nenhuma dessas empresas tem um perfil regional mais ativo do que o da Odebrecht, que é responsável por quase três quartos das construções de infraestrutura feitas por empresas brasileiras no exterior. Seus projetos incluem um porto em Cuba, metrôs na Venezuela e até mesmo uma estátua em Lima que lembra o Cristo Redentor do Rio de Janeiro.

"A mensagem que o Brasil está dando com uma investigação desta escala, e que vai ecoar se encontrarmos provas aqui, é uma clara batalha contra corrupção na região... quem quer que seja derrubado com isso", disse Sánchez em entrevista na sexta-feira.

Ele acrescentou que sua equipe planeja entrevistar testemunhas e estudar documentos reunidos por investigadores brasileiros em Curitiba.   Continuação...

 
Procurador-geral do Peru, Pablo Sanchez, durante entrevista à Reuters em seu gabinete em Lima. 17/07/2015 REUTERS/Mariana Bazo