Governo estuda corte adicional de gastos de até R$15 bi, diz fonte

terça-feira, 21 de julho de 2015 16:28 BRT
 

Por Luciana Otoni e Alonso Soto

BRASÍLIA (Reuters) - O governo estuda fazer corte adicional dos gastos previstos no Orçamento de 2015 entre 8 bilhões e 15 bilhões de reais, disse uma fonte da equipe econômica, mas ainda assim o contingenciamento de despesas pode não ser suficiente para garantir o cumprimento da meta de superávit primário do ano.

O corte seria adicional ao contingenciamento de 69,9 bilhões de reais anunciado em maio. Na ocasião, o governo chegou a cogitar a possibilidade de bloqueio de verbas superior a 80 bilhões de reais.

"Há margem para esse novo corte", disse a fonte. "Não sei se isso será suficiente para fazer o primário ou se mesmo assim se tem que mudar a meta", acrescentou.

Nesta tarde, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não descartou novos cortes para melhorar a situação fiscal do país, mas não falou em números.

A decisão sobre o bloqueio adicional de verbas será tomada até esta quarta-feira, prazo final para divulgação do Relatório de Receitas e Despesas, documento no qual o governo apresenta uma avaliação atualizada do Orçamento, reafirmando condições de cumprir a meta fiscal do ano ou indicando que o alvo será reduzido.

A meta de superávit primário deste ano é de 66,3 bilhões de reais, equivalente a 1,1 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), mas em 12 meses encerrados em maio o governo não conseguiu fazer economia de gasto para o pagamento de juros da dívida pública, registrando déficit primário de 0,68 por cento do PIB.

Uma segunda fonte também da equipe econômica disse à Reuters que os dados disponíveis até o momento indicam que o governo não conseguirá cumprir a meta de 1,1 por cento do PIB diante do elevado nível de gasto e forte queda da arrecadação provocada por uma deterioração da economia, além do esperado.

De acordo essa fonte, o governo estuda um mecanismo de controle do gasto para indicar aos agentes de mercado o compromisso com a política fiscal e que a proposta dessa trava para as despesas pode ser feita por meio de um projeto de lei complementar.   Continuação...