Bovespa cai 1% com apreensão fiscal e tem maior sequência de queda desde 2014

sexta-feira, 24 de julho de 2015 18:19 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO, 24 de (Reuters) - A Bovespa fechou com o seu principal índice em queda pelo sexto pregão consecutivo nesta sexta-feira, a maior série de perdas desde setembro de 2014, refletindo a apreensão de investidores com as mudanças no plano fiscal e com a queda dos papéis da Petrobras e da Vale reforçando o viés negativo.

O Ibovespa caiu 1,13 por cento, a 49.245 pontos, encerrando a semana com queda acumulada de 5,9 por cento. Nas últimas seis sessões, a queda supera 7 por cento. O giro financeiro da sessão de sexta-feira totalizou 6,76 bilhões de reais.

A decisão do governo na quarta-feira a noite de cortar drasticamente as metas de superávit primário de 2015, 2016 e 2017 acentuou as preocupações sobre um possível rebaixamento da classificação de risco do país, com agentes financeiros preocupados sobre a perda do nível grau de investimento do país.

Em nota a clientes, o Credit Suisse disse que na véspera, pela "primeira vez depois de um bom tempo", sua mesa de operações teve fluxo predominantemente vendedor de investidores estrangeiros, e que, se essa tendência permanecer, deve manter a pressão sobre o Ibovespa, já que os investidores locais ainda não "estão nada dispostos" a comprar.

As ações brasileira também tiveram seus pesos reduzidos em portfólios de ações, com a questão fiscal entre os principais fatores embasando a decisão.

O HSBC cortou o Brasil para "neutro" em sua carteira para mercados emergentes, enquanto o Morgan Stanley rebaixou o país para "underweight" (abaixo da média do mercado).

O Morgan Stanley disse que tomou a decisão porque a redução nas metas de superávit primário devem levar a um aumento na inclinação da curva de juros, inflação mais alta e cortes de juros em 2016, crescimento econômico fraco e equilíbrio mais fraco na taxa de câmbio.

O mercado doméstico também foi contaminado pelo declínio de commodities, em meio a números inesperadamente fracos sobre o setor manufatureiro na China. O índice Thomson Reuters de commodities cedeu quase 1 por cento.   Continuação...