Brasil corre risco de perder grau de investimento, alerta S&P

terça-feira, 28 de julho de 2015 14:47 BRT
 

Por Walter Brandimarte

SÃO PAULO (Reuters) - A Standard & Poor's alertou nesta terça-feira que o Brasil pode perder o grau de investimento ao longo do próximo ano se os resultados das investigações de corrupção pesarem mais sobre o crescimento econômico e se a implementação de medidas de austeridade fiscal "sofrer novo deslize".

A agência de risco afirmou classificação de crédito do Brasil de longo prazo em moeda estrangeira em "BBB-", o nível mais baixo do grau de investimento, mas revisou para "negativa" a perspectiva da nota, ante "estável", sinalizando que um rebaixamento é possível nos próximos 12 a 18 meses. A S&P também manteve o rating do país em moeda local em "BBB+".

"Reconsideramos a perspectiva dos ratings do Brasil de modo a refletir nossa avaliação de que a probabilidade de a correção de política sofrer novo deslize seja maior que uma entre três, dado o contexto das dinâmicas políticas e de que o retorno a uma trajetória de crescimento mais firme será um processo mais longo do que o esperado", disse a analista da S&P Lisa Schineller.

A decisão da S&P representa um revés para os esforços do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, de reconquistar a confiança do investidor no país, que enfrenta a recessão.

Para o economista-chefe do banco J.Safra, Carlos Kawall, as agências Moody’s e Fitch --que atribuem rating ao Brasil no segundo degrau da escala de grau de investimento-- devem cortar a nota do país e colocá-la em perspectiva negativa em breve.

"Todas chegarão no mesmo nível que a S&P está. Temos seis meses. Se não houver sinalização clara para reverter essa deterioração, podemos ver no início do ano que vem a perda do grau de investimento", afirmou Kawall.

O ministro da Fazenda tem tentado proteger o grau de investimento do Brasil com cortes de gastos, reduções de desonerações e aumentos de impostos, com o objetivo de conter o déficit fiscal que aumentou durante o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.

Na semana passada, porém, o governo reduziu suas metas de superávit primário --a economia feita para o pagamento de juros da dívida pública--, diante de uma arrecadação bastante aquém do previsto devido à fraqueza da economia.   Continuação...