Telefônica Brasil espera R$2 bi em sinergias anuais após compra da GVT

quarta-feira, 29 de julho de 2015 14:28 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Telefônica Brasil espera conseguir até 2 bilhões de reais em sinergias anuais após a conclusão da compra da GVT, afirmou o vice-presidente financeiro da companhia nesta quarta-feira, acrescentando que 70 por cento desse valor deve ser obtido em 2017.

"Temos um nível de captura (de sinergias) anualizado que fica perto dos 2 bilhões de reais e acreditamos que no terceiro ano, em 2017, estaríamos perto dos 2 bilhões", afirmou Alberto Horcajo Aguirre, em teleconferência com jornalistas.

Mais cedo, a Telefônica Brasil divulgou apresentação a investidores elevando de maneira significativa suas projeções de sinergias a serem conseguidas com a incorporação da GVT. A conta passou de até 14,1 bilhões para até 22 bilhões de reais, segundo o "melhor cenário", traçado pela companhia. As projeções, junto com o resultado de segundo trimestre apresentado mais cedo, animaram uma alta de mais de 7 por cento nas ações da companhia, que lideravam a ponta positiva do Ibovespa.

"Aquele número (de sinergias) que foi divulgado pelo mercado em agosto de 2014 era um número que ajudava a tomar decisão para a compra da GVT (...) foi um número com bastante restrições", comentou Aguirre. "Continuamos a ter visão muito otimista sobre a velocidade da captura das sinergias", acrescentou.

Como parte do otimismo dos investidores que motivou o salto nas ações da empresa, o grupo Telefónica anunciou mais cedo acordo com a Vivendi para troca de ações da Telefônica Brasil detidas pelo grupo francês por papéis do grupo espanhol.

Segundo Aguirre, a expectativa é que esta operação, um desdobramento da compra da GVT, deve ser aprovada rapidamente pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o que deixará a Vivendi com uma participação residual na Telefônica Brasil.

"Eles vão ficar com menos de 1 por cento (de participação na Telefônica Brasil) e não tenho dúvida de que na hora certa eles vão sair", afirmou o executivo.

Aguirre evitou fazer comentários sobre cortes de pessoal após a incorporação da GVT. Ele afirmou, porém, que a Telefônica Brasil já fez "bastantes mudanças e ao longo do ano trabalhamos para conseguirmos maiores níveis de produtividade e qualidade de serviços. Temos algumas metas (...) somos uma empresa com 34 mil profissionais. Podemos fazer igualmente bem com menos recursos".

Entre os benefícios da incorporação da GVT, executivos da Telefônica Brasil citaram a ampliação das ofertas de banda larga da operadora, em complementação aos investimentos para levar fibra ótica até a casa dos clientes, a chamada "fiber to the home" (FTTH).   Continuação...