Fed vê melhora na economia e no mercado de trabalho dos EUA

quarta-feira, 29 de julho de 2015 16:31 BRT
 

Por Howard Schneider e Michael Flaherty

WASHINGTON (Reuters) - A economia dos Estados Unidos e o mercado de trabalho continuam se fortalecendo, afirmou o Federal Reserve nesta quarta-feira, deixando a porta aberta para um possível aumento de juros na próxima reunião sobre política monetária, em setembro.

Ao final da reunião de dois dias, os membros do Fed disseram que sentiram que a economia tinha superado a desaceleração do primeiro trimestre e estava "expandindo moderadamente", apesar das dificuldades no setor de energia e em outros países.

O banco central acenou em particular para "sólidos ganhos de vagas" nos últimos meses.

"No geral, uma série de indicadores do mercado de trabalho sugere que a subutilização dos recursos de trabalho diminuiu desde o início deste ano", disse o Fed em comunicado de política no qual deixou inalterada a taxa de juros.

Essa linguagem marca uma melhora em sua visão das condições de trabalho desde a reunião de junho, quando disse que a ociosidade havia "diminuído um pouco".

O comunicado pode fortalecer as expectativas de alta dos juros na reunião de setembro do Fed. O banco central tem mantido os juros no nível perto de zero desde dezembro de 2008 como parte de seus esforços para estimular a economia depois da crise financeira de 2007-2009.

Entretanto, o Fed não deu um sinal claro sobre seus planos. Em vez disso, afirmou que quer ver "mais melhora no mercado de trabalho", e ter mais confiança de que a inflação baixa subirá para sua meta de 2 por cento no médio prazo.

"O Fed está dando pequenos passos na direção da alta. Melhoras suficientes aconteceram no mercado de trabalho e o Fed só precisa de um pouco mais de evidências para dizer que é a hora. É o cenário de inflação que continua a ser como um espelho distorcido", disse o estrategista-chefe de portfólio do Wells Fargo Funds Management, Brian Jacobsen.   Continuação...

 
Candidatos preenchem formulários para vagas temporárias de trabalho em Nova York. 04/03/2014 REUTERS/Shannon Stapleton