ENFOQUE-Bancos públicos devem liderar cortes de vagas no setor financeiro em 2015

quinta-feira, 30 de julho de 2015 21:08 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O efeito da retração da economia sobre o mercado bancário está fazendo bancos estatais deixarem de lado a agenda de crescimento dos últimos anos e implementarem programas de aposentadoria incentivada, movimento que deve liderar a redução de postos de trabalho no setor financeiro no Brasil em 2015.

Juntos, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banrisul e Banco do Brasília (BRB) devem aposentar prematuramente pelo menos 8,5 mil funcionários até dezembro, em meio aos esforços para reduzir custos e ganhar eficiência, como há anos já vêm fazendo seus principais concorrentes privados.

No caso do BB, sua última edição do Programa de Aposentadoria Incentivada (PAI), lançado em junho, teve adesão de 5.023 empregados, segundo dados da Contraf-CUT, que representa empregados de instituições financeiras. O banco pretendia alcançar até 7,1 mil pessoas no programa. O alvo principal foram funcionários com mais de 18 anos de casa, que gozam de um pacote de benefícios maior, incluindo anuênios e férias de 35 dias.

Mesmo considerando as novas admissões de concursados, o BB deve manter a tendência de redução líquida de pessoal que vem trilhando desde o final de 2012, quando chegou a ter 114,2 mil funcionários. Em março último o número era de 112,6 mil.

"Com a dificuldade maior de gerar receita, o foco passa a ser redução de custos", disse à Reuters uma fonte familiarizada com o BB. De forma geral, o banco planeja uma redução de custos administrativos da ordem de 15 por cento ante 2014, disse a fonte, que pediu anonimato.

Procurado, o BB afirmou em nota que é um dos maiores empregadores do país e que desde o início do ano convocou 3.535 concursados, dos quais cerca de 2.500 já tomaram posse. O banco afirmou ainda que não comentará o programa de aposentadoria uma vez que ele vai até meados de agosto e poderá ser sujeito a desistências por alguns funcionários.

A Caixa, cuja folha cresceu 30 por cento de 2008 a 2014, chegando a 101,5 mil empregados, obteve adesão de 3,4 mil deles para seu Plano de Apoio à Aposentadoria (PAA) concluído em maio.

Com isso, o banco, único dentre os grandes que vinha aumentando seu quadro de pessoal desde 2012, respondeu por quase três quartos da redução líquida de 2.795 postos de trabalho no sistema financeiro do país no primeiro semestre, segundo a Contraf-CUT. As adesões ao plano do BB ainda não foram formalizadas, de modo que não entraram nos números desse período.   Continuação...