Linguagem do Fed de riscos "quase equilibrados" não é impeditivo de alta de juro em setembro

sexta-feira, 31 de julho de 2015 11:01 BRT
 

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, não precisará ver riscos equilibrados à economia para realizar uma elevação da taxa de juros em setembro, segundo ex-autoridades do Fed e uma análise de comunicados do banco central durante mudanças recentes na política monetária.

Em seu mais recente comunicado, divulgado na quarta-feira, o Fed disse que continua a julgar os riscos à economia norte-americana como "quase equilibrados", o que significa que ainda vê uma ameaça maior de uma nova desaceleração do que de aceleração da inflação e crescimento excessivo.

Wall Street observou de perto a linguagem como possível pista para uma elevação da taxa de juros em setembro. A remoção da palavra "quase" teria sido um sinal de que a primeira elevação seria quase certa, encerrando mais de seis anos de juro próximo a zero.

No entanto, uma análise dos comunicados do Fed nos últimos 10 anos indica que a linguagem sobre risco usada pelo banco central norte-americano é um parâmetro fraco para previsões de "mudança de regime".

Uma importante mudança na política monetária do Fed em junho de 2004 aconteceu com linguagem sobre riscos similar à do comunicado atual. Antes da sua decisão de começar a elevar o juro na reunião em 2004, o Fed vinha julgando há vários meses os riscos à economia como "praticamente iguais". O banco central norte-americano manteve essa caracterização na reunião de junho, e por quase um ano depois disso.

A situação atual pode ser parecida. Riscos potenciais do exterior provavelmente não vão desaparecer entre agora e a próxima reunião do Fed em setembro, por exemplo. Isso, porém, não irá necessariamente deter o Fed.

(Por Renan Fagalde)