Executivos da Eletrobras pedem licença durante investigação interna

sexta-feira, 31 de julho de 2015 15:05 BRT
 

Por Leonardo Goy

BRASÍLIA (Reuters) - Dois importantes executivos da Eletrobras pediram licenciamento de seus cargos enquanto durarem investigações internas sobre supostas irregularidades em projetos do setor elétrico, que surgiram no rastro da operação Lava Jato.

O diretor de Geração da holding Eletrobras, Valter Cardeal, e o diretor de Planejamento e Engenharia da Eletronorte, uma subsidiária do grupo, Adhemar Palocci, são alvos de denúncias publicadas na imprensa pelo suposto envolvimento em esquemas de corrupção.

À Reuters, os dois executivos negaram nesta sexta-feira o envolvimento em atos de corrupção. Eles afirmaram que são os maiores interessados no esclarecimento das denúncias e no sucesso das investigações internas, conduzidas pelo escritório de advocacia internacional Hogan Lovells.

A expectativa é que o Hogan Lovells conclua a investigação interna na Eletrobras em outubro.

"Queremos deixar a investigação interna transcorrer tranquilamente", disse Palocci, irmão do ex-deputado e ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci.

"Como gestores públicos de uma companhia pública, não queremos causar prejuízos", afirmou Cardeal.

No fim de junho, o jornal O Estado de S. Paulo publicou reportagem afirmando que o ex-presidente da Camargo Corrêa Dalton Avancini, réu nos processos da Lava Jato, teria apontado em delação premiada o nome de Adhemar Palocci como suposto recebedor de propina na Eletronorte relacionada à hidrelétrica de Belo Monte, no valor de 20 milhões de reais. O dinheiro teria como destino o PMDB e agentes da Eletronorte.

Neste mês, a revista Veja publicou que Cardeal teria sido citado pelo dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, outro réu na Lava Jato. Segundo a publicação, Pessoa teria dito, na delação premiada, que o diretor da Eletrobras participou de corrupção envolvendo a usina nuclear Angra 3.

Na terça-feira, a Lava Jato, que revelou um esquema bilionário de corrupção envolvendo a Petrobras, chegou formalmente ao setor elétrico, com a prisão do presidente licenciado da Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras responsável por Angra 3, Othon Luiz Pinheiro da Silva, e o responsável pela área de energia na Andrade Gutierrez, Flavio Barra.

Segundo a Polícia Federal, Silva é suspeito de ter recebido 4,5 milhões de reais em propina por meio de intermediários de Andrade Gutierrez e Engevix. A Eletrobras se recusou a comentar a última operação da PF e a Andrade Gutierrez disse que sempre cooperou com as investigações, enquanto a Engevix afirmou estar "prestando todos os esclarecimentos" à Justiça.

 
Sede da Eletrobras no centro do Rio de Janeiro. 20/08/2014 REUTERS/Pilar Olivares