31 de Julho de 2015 / às 20:49 / 2 anos atrás

Noticiário corporativo ampara ganhos no dia, mas Ibovespa acumula perdas em julho

SÃO PAULO, 31 julho (Reuters) - A Bovespa terminou a sexta-feira com o seu principal índice no azul, com ganhos em ações de Itaú Unibanco e BRF entre os principais suportes positivos. No mês, porém, a bolsa acumulou queda de cerca de 4 por cento.

O Ibovespa subiu 1,94 por cento nesta sexta-feira, a 50.864 pontos. O giro financeiro na sessão somou 6,4 bilhões de reais.

Na semana, também marcada pela safra de resultados corporativos, o índice de referência do mercado acionário brasileiro contabilizou um ganho de 3,29 por cento.

No mês, contudo, o Ibovespa acumulou declínio de 4,17 por cento, sinalizando ambiente ainda hostil às ações brasileiras, tendo o corte das metas fiscais pelo governo federal como um dos principais elementos para o viés negativo.

"A queda no mês faz sentido dada a deterioração no ambiente político e econômico, culminada pela redução da meta fiscal do governo, que surpreendeu bem negativamente o mercado", disse o trader Thiago Montenegro, da Quantitas Asset Management.

No ano, o Ibovespa ainda acumula desempenho positivo de 1,71 por cento, embora, em dólar, recue cerca de 20 por cento.

DESTAQUES

=ITAÚ UNIBANCO subiu 2,80 por cento, após o Conselho de Administração aprovar renovação de programa de recompra de ações, autorizando a aquisição de até 11 milhões de papéis ordinários e 55 milhões de ações preferenciais, segundo ata de reunião divulgada na quinta-feira.

=BRF avançou 4,02 por cento após divulgar salto anual de quase 50 por cento no lucro líquido do segundo trimestre. O BTG Pactual avaliou que a companhia divulgou um resultado forte mais uma vez, citando que o destaque positivo ficou para as operações internacionais, principalmente Ásia e Oriente Médio. A ação ainda se beneficiou de relatório do Credit Suisse iniciando cobertura do setor de proteínas e da empresa com recomendação "outperform" e preço-alvo de 84 reais.

=EMBRAER saltou 6,22 por cento, recuperando-se de fortes perdas com a divulgação de balanço e revisão de metas na véspera, encontrando suporte em nova alta do dólar, acima de 3,40 reais. Alguns analistas na quinta-feira haviam considerado a queda exagerada, considerando o preço atrativo como ponto de entrada no papel.

=OI subiu 5,22 por cento, após a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) dar anuência prévia ao processo de reorganização e de redução do capital proposto pela operadora de telecomunicações. Para o Bradesco BBI, a notícia é positiva, pois a aprovação potencial representa mais um passo no sentido de melhor governança corporativa.

=VALE reverteu perdas da abertura e encerrou com as preferenciais em alta de 1,67 por cento, apesar do preço do minério de ferro no mercado à vista da China recuar novamente nesta sexta-feira e fechar julho com perdas acumuladas de 10,8 por cento.

=BRASKEM disparou 9,33 por cento, recuperando o nível de preço da semana anterior, após perdas expressivas em meio a incertezas envolvendo o contrato de nafta entre a petroquímica e a Petrobras.

=MULTIPLAN ganhou 3,51 por cento, após divulgar alta de 3,2 por cento no lucro líquido do segundo trimestre, na comparação anual, a 96,3 milhões de reais. O presidente da empresa, José Isaac Peres, também disse nesta sexta-feira que já verificou aumento de fluxo de consumidores nos shopping centers administrados pela empresa na primeira quinzena de julho.

=PETROBRAS terminou com as preferenciais em alta de 0,29 por cento, apesar do forte declínio dos preços do petróleo. Agentes financeiros atentos a comentários do presidente da estatal, Aldemir Bendine, de que a companhia poderá abrir o capital da sua subsidiária de distribuição de combustíveis ainda neste ano, se as condições de mercado forem favoráveis.

=LOJAS RENNER caiu 1,51 por cento, mesmo após divulgar que seu lucro subiu mais de 30 por cento no segundo trimestre sobre um ano antes, enquanto as vendas em julho de lojas abertas há mais de um ano mantiveram crescimento na casa de dois dígitos.

=RUMO ALL foi destaque entre as perdas, com queda de 5,21 por cento. As ações da empresa passarão a ser negociadas agrupadas a partir de 3 de agosto, na proporção de dez para uma, segundo comunicado divulgado nesta sexta-feira.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below