Indústria da zona do euro mantém crescimento em julho apesar de Grécia, mostra PMI

segunda-feira, 3 de agosto de 2015 09:33 BRT
 

LONDRES (Reuters) - A atividade da indústria da zona do euro cresceu mais rapidamente do que o previamente estimado em julho, desacelerando apenas um pouco em relação ao recorde em 14 meses atingindo em junho uma vez que a alta dos preços limitou as novas encomendas, mostrou o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) nesta segunda-feira.

Julho foi um mês difícil para a união monetária, com a Grécia flertando com a falência e, talvez sem surpresa, o levantamento para o país indicou a pior queda em sua história de 16 anos. A pesquisa para a França também voltou à contração.

Qualquer sinal de que o restante do bloco foi pouco afetado por essa turbulência agradará o Banco Central Europeu (BCE). Holanda, Espanha e Itália apresentaram crescimento saudável, com esta registrando a expansão mais forte em mais de quatro anos.

O PMI final do Markit para a indústria ficou em 52,4, confortavelmente acima do nível de 50 que separa crescimento e contração. O número superou estimativa preliminar de 52,2, mas veio levemente aquém dos 52,5 apurados em junho.

O crescimento das novas encomendas perdeu força no mês passado --o subíndice caiu para 52,2 ante 52,7-- com as fábricas aumentando seus preços pelo segundo mês consecutivo, mas a um ritmo menor que em junho.

(Reportagem de Jonathan Cable)

 
Estátua do símbolo do euro na ex-sede do Banco Central Europeu, em Frankfurt.  10/06/2010   REUTERS/Ralph Orlowski