Bovespa inicia mês no vermelho pressionada por Bradesco e Petrobras

segunda-feira, 3 de agosto de 2015 18:02 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou em baixa nesta segunda-feira, pressionada pelo recuo das ações do Bradesco, após o banco brasileiro adquirir a operação do HSBC no Brasil, e queda dos papéis da Petrobras, acompanhando o declínio do petróleo.

O Ibovespa caiu 1,43 por cento, a 50.138 pontos. O giro financeiro totalizou 5,16 bilhões de reais.

As perdas nos pregões em Wall Street endossaram o viés negativo no primeiro pregão de agosto na bolsa paulista, com o índice S&P 500 cedendo 0,28 por cento, também afetado pela fraqueza do petróleo e preocupações com a China.

Os preços do petróleo caíram à mínima em seis meses, com o Brent indo abaixo de 50 dólares o barril, após dados fracos das economias norte-americana e chinesa, além de apostas de consumo fraco de gasolina nos Estados Unidos.

O quadro ainda desafiador para o mercado acionário brasileiro também corroborou ajuste negativo, após o Ibovespa acumular alta de pouco mais de 3 por cento na semana passada.

Estratégias de ações compiladas pela Reuters para o mês de agosto mostraram que a cautela persiste, diante da ausência de sinais de melhora nas perspectivas macroeconômicas locais e com a deterioração do ambiente político doméstico.

Do lado externo, a economia chinesa e a política monetária dos Estados Unidos despontam como principais riscos.

O Credit Suisse cortou projeção para o Ibovespa no fim de 2015 para 55 mil pontos, ante 58 mil pontos, dizendo que o índice está no mesmo nível do começo do ano, mas menos atrativo que no fim de 2014, devido à queda nas projeções de lucros e maior custo de capital.   Continuação...