Câmbio e Rússia elevam embarques de carne suína do país ao maior nível desde 2010

terça-feira, 4 de agosto de 2015 16:14 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações de carne suína do Brasil in natura em julho atingiram o maior volume mensal desde 2010, impulsionadas pelo câmbio favorável e pelo aquecimento das compras da Rússia, disse nesta terça-feira a entidade que representa as indústrias.

O Brasil exportou 54,9 mil toneladas de carne suína in natura no mês passado, alta de 35 por cento ante junho e de 59 por cento ante julho de 2014, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) divulgados na segunda-feira.

"O câmbio ajudou, mas o grande fator para esta retomada foi o forte aquecimento das compras pelos importadores da Rússia, nosso principal mercado", disse à Reuters o vice-presidente de suínos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Rui Vargas, por meio da assessoria de imprensa.

Na avaliação da entidade, o aquecimento das vendas externas enxugou os estoques no Brasil, ajudando a equilibrar a oferta doméstica.

"Nossa expectativa é que o cenário siga aquecido no segundo semestre", disse o presidente-executivo da ABPA, Francisco Turra, em nota.

Os embarques de carne suína in natura acumularam 242,4 mil toneladas entre janeiro e julho, alta de 5,7 por cento ante os sete primeiros meses de 2014.

Em reais, a receita no mesmo período tem alta de 14 por cento, totalizando 1,939 bilhão.

Em dólares, o saldo é de 636,1 milhões, queda de 15 por cento ante janeiro-julho de 2014.

Segundo a Secex, o preço médio da carne suína in natura do Brasil recuou 26 por cento no último ano.

(Por Gustavo Bonato; edição de Roberto Samora)