Produção de veículos do Brasil tem pior julho desde 2006

quinta-feira, 6 de agosto de 2015 12:51 BRT
 

Por Aluisio Pereira

SÃO PAULO (Reuters) - A produção brasileira de veículos em julho caiu 15 por cento sobre o mesmo período do ano passado, no pior desempenho para o mês desde 2006 e sem indicar reversão de tendência para o ano, que pode encerrar pior que o esperado pelo setor.

Segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela associação de montadoras, Anfavea, o setor produziu em julho 215,1 mil veículos, queda de 14,9 por cento sobre julho de 2014, mas alta de 17,8 por cento sobre junho, quando a maior parte do setor havia adotado medidas de redução de atividade como concessão de férias coletivas.

Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Moan, o aumento da produção em julho ante junho foi "pontual" e serviu para repor parte de estoques, que encerraram o mês passado em 344,8 mil unidades, suficientes para 45 dias de vendas.

No acumulado do ano até julho, a produção mostra recuo de 18,1 por cento, a 1,49 milhão de unidades, pior volume para o período desde 2006.

"Estamos num momento difícil, o grande desafio é recuperar o nível de confiança", disse Moan a jornalistas, mencionando a combinação de crise política e recessão da econômia do país.

As previsões da entidade para produção e vendas em 2015 foram mantidas. Por enquanto.

"Faremos a revisão das projeções no momento adequado, quando estivermos mais seguros", afirmou Moan. De todo modo, a Anfavea só espera uma recuperação do setor a partir do fim do segundo trimestre de 2016.

A projeção atual da Anfavea para 2015 envolve queda de 17,8 por cento na produção de veículos, a 2,585 milhões de unidades, e vendas de 2,779 milhões, 20,6 por cento menores que as registradas em 2014.

No acumulado de janeiro a julho, os licenciamentos mostram queda de 21 por cento, a 1,547 milhão de unidades, o pior desempenho para o período desde 2007. As vendas de julho somaram 227,6 mil veículos, queda de 22,8 por cento na comparação com o mesmo mês do ano passado e alta de 7 por cento sobre junho, diante de dois dias úteis a mais.

Já as exportações em julho, incluindo máquinas agrícolas e rodoviárias, caíram 25,7 por cento sobre junho e recuaram 24,7 por cento ante julho de 2014, para 750 milhões de dólares, informou a Anfavea.