Índice recua com apreensão política, mas Petrobras e Vale sobem e limitam perda

quinta-feira, 6 de agosto de 2015 18:15 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO(Reuters) - A Bovespa fechou em queda nesta quinta-feira, com agentes financeiros apreensivos com o cenário político conturbado e instável, embora a recuperação dos papéis da Petrobras e da Vale tenha limitado a queda do principal índice da bolsa paulista.

A safra de balanços corporativos teve efeito misto sobre o desempenho do índice, com a petroquímica Braskem destacando-se na ponta positiva, após o resultado operacional mais do que dobrar no segundo trimestre.

O Ibovespa caiu 0,55 por cento, a 50.011 pontos. Na mínima do dia, a queda chegou a 1,3 por cento.

O giro financeiro totalizou 7 bilhões de reais.

A avaliação de profissionais do mercado financeiro é de que a ausência de sinalizações claras sobre desdobramentos no ambiente político tende a manter o clima de incerteza e a volatilidade nos negócios.

O foco está voltado principalmente para eventos atrelados ao risco de processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas há também o sentimento de que, com o desgaste do governo, o ajuste fiscal não sairá como sinalizado.

No pano de fundo, segue o temor de um corte da nota soberana do país. Quando cortou para "negativa" a perspectiva do rating brasileiro em julho, a Standard & Poor's disse que havia aumentado a chance de "novo deslize" na execução do plano de ajuste fiscal do governo.

O Bank of America Merrill Lynch afirmou que vê o Ibovespa em 48 mil pontos se o Brasil perder a nota grau de investimento e o dólar bater 3,80 reais, embora não descarte recuo maior no curto prazo se o noticiário seguir negativo e não houver catalisadores para investidores fecharem posições pessimistas.   Continuação...