7 de Agosto de 2015 / às 14:22 / 2 anos atrás

CEO da Norma Group vê desaceleração no Brasil pesando sobre nova fábrica

FRANKFURT (Reuters) - Uma fábrica aberta no Brasil no ano passado pela fabricante de autopeças Norma Group pode demorar mais que o esperado para atingir a produção total devido à queda na demanda automotiva, disse o presidente-executivo da companhia.

Como parte de um esforço para expandir-se na América Latina, a Norma iniciou em abril de 2014 a produção de conectores e sistemas de fluidos para carros de passeio e caminhões em uma nova fábrica em Atibaia, em São Paulo.

No entanto, a economia brasileira, maior da América Latina, tem enfraquecido e a expectativa é de que registre contração de quase 2 por cento neste ano.

“Quando abrimos a fábrica no ano passado, as expectativas do mercado eram melhores”, disse o presidente-executivo da Norma, Werner Deggim, em entrevista nesta sexta-feira, destacando que são necessários cerca de cinco anos para levar a produção em uma nova fábrica para níveis máximos.

“Isso agora vai demorar mais”, disse Deggim, citando a desaceleração nas vendas e na produção.

A Norma, sediada perto de Frankfurt, na Alemanha, não detalha a parcela de países individuais nas vendas globais, mas diz que as Américas corresponderam a 45 por cento das vendas totais nos primeiros seis meses do ano, ante 32 por cento no ano passado.

Por Andreas Cremer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below