Dólar cai sobre o real, após seis sessões de altas, com maior intervenção do BC

sexta-feira, 7 de agosto de 2015 17:12 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar encerrou em queda nesta sexta-feira, interrompendo seis sessões seguidas de alta mas ainda permanecendo acima de 3,50 reais, após o Banco Central aumentar a intervenção no câmbio neste mês, mesmo diante do cenário político bastante conturbado e expectativas cada vez mais fortes de que os juros nos Estados Unidos vão subir em breve.

O dólar caiu 0,83 por cento, a 3,5081 reais na venda. Na semana, a moeda norte-americana acumulou alta de 2,44 por cento.

Nos seis pregões anteriores, o dólar havia acumulado valorização de 6,25 por cento e chegou a 3,57 reais no intradia da véspera, maior patamar em 12 anos. Apesar do respiro de agora, especialistas dizem que a tendência ainda é de alta.

"A tendência para o dólar é continuar pressionado. Hoje foi um alívio momentâneo causado pelo aumento das rolagens (de swaps) do BC", disse o operador de câmbio da Intercam Corretora, Glauber Romano.

O noticiário político no Brasil, com operadores enxergando chances bastante pequenas, mas não desprezíveis, de afastamento da presidente Dilma Rousseff tem golpeado o ânimo no mercados locais. O clima político conturbado vem minando a confiança dos agentes econômicos, ainda mais com diversas medidas para tenatr melhorar a economia paradas no Congresso Nacional.

"O mercado está sem referência. Operar com economia é fácil, é fazer conta. Não tem fórmula para operar com política", disse o operador de uma gestora de recursos internacional. "Como o mercado está em pânico, qualquer faísca é fogo", afirmou.

Durante a manhã, a moeda teve uma sessão volátil, com os dados do mercado de trabalho norte-americano fortalecendo a tese de que os juros na maior economia do mundo podem subir em setembro, o que ajudou o dólar a subir 0,88 por cento ante o real na máxima desta sessão.

Juros mais altos nos EUA podem atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em países com o Brasil.   Continuação...