AES Tietê mira parceria com Emae para térmicas e projetos eólicos em leilões

segunda-feira, 10 de agosto de 2015 12:32 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A geradora de eletricidade AES Tietê busca uma expansão por meio de usinas térmicas e renováveis, o que poderá incluir uma parceria com a estatal paulista Emae, o cadastramento de projetos solares nos próximos leilões de energia e a prospecção de aquisições, disseram executivos da empresa em teleconferência nesta segunda-feira.

De acordo com o presidente da AES Tietê, Britaldo Soares, os novos projetos focarão a expansão da capacidade da empresa no Estado de São Paulo, enquanto a busca por eventuais oportunidades de compras vai mirar ativos em todo o país.

"Nossa estratégia está muito clara e caminha na direção de térmicas e renováveis. Então estou olhando energia eólica, estou olhando térmicas... não limitado ao Estado de São Paulo nessa questão, aí estamos falando de Brasil como um todo", explicou Soares.

Atualmente, a AES Tietê possui dois projetos termelétricos em São Paulo que já contam com licença ambiental e estão em fase de negociação de suprimento de gás para que possam ser inscritos em futuros leilões de energia.

A companhia, porém, não deve participar do próximo certame, o A-3, que será realizado em 21 de agosto e contratará usinas para início de operação em 2018.

A expectativa da AES Tietê era de que o leilão permitisse a participação de usinas com custo de operação de mais de 300 reais por megawatt-hora, mas a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) estabeleceu um teto de 250 reais por megawatt-hora, visto pela empresa como baixo para viabilizar projetos a Gás Natural Liquefeito (GNL).

Com isso, a eventual viabilização dos projetos térmicos via certames poderia ficar para 2016, uma vez que a AES Tietê não espera um certame A-5 neste ano, devido à forte retração do consumo.

EVENTUAL PARCERIA   Continuação...