Senadora diz que vai propor aumento da CSLL de bancos a 22,5% ou 23%

quarta-feira, 12 de agosto de 2015 13:15 BRT
 

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), relatora da medida provisória 675, disse nesta quarta-feira que vai propor que a CSLL de instituições financeiras seja elevada a 22,5 ou 23 por cento, acima dos 20 por cento apresentados pelo governo na MP.

O governo editou em maio MP que aumenta a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) de instituições financeiras de 15 para 20 por cento, como parte das iniciativas para melhorar as contas públicas.

O aumento da tributação sobre bancos busca diminuir a tensão do Executivo com parcela da base do governo da presidente Dilma Rousseff, que critica o ajuste fiscal sob o argumento de que ele atinge apenas os trabalhadores.

Em entrevista à Reuters nesta quarta, Gleisi afirmou que vai propor um aumento da CSLL de bancos de 2,5 ou 3 pontos percentuais acima dos 20 por cento previstos na MP.

"Os bancos têm que dar uma contribuição, eles tiveram lucro, como mostram os balanços já apresentados. Está na hora de o capital colaborar", afirmou a senadora petista.

A senadora também disse que seu relatório sobre a MP 675, a ser conhecido ainda nesta quarta, incluirá o fim do benefício fiscal de grandes empresas com a distribuição de juro sobre capital próprio. Segundo ela, esse tipo de remuneração aos acionistas de companhias não tem paralelo em outras legislações.

"Esse juro sobre o capital próprio tem que ser tributado", afirmou Gleisi.

Procurada sobre a questão da CSLL, a federação dos bancos Febraban não tinha representantes imediatamente disponíveis para comentar.   Continuação...