Moody's diz que Vale não é afetada por rebaixamento de rating soberano

quarta-feira, 12 de agosto de 2015 14:49 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A agência de classificação de risco Moody's disse nesta quarta-feira que o rating da Vale não foi afetado pelo rebaixamento da nota soberana do Brasil, já que a mineradora tem uma posição competitiva que fornece isolamento razoável do ambiente macroeconômico e político do país.

A Moody's rebaixou na terça-feira o rating soberano do Brasil para "Baa3", última nota dentro da faixa considerada como grau de investimento, mas alterou a perspectiva da nota para "estável" ante "negativa", sinalizando que o selo de bom pagador do país deve ser mantido no curto prazo.

"A forte posição competitiva da Vale como a maior produtora de minério de ferro e de níquel do mundo, e um negócio que atrai 85 por cento de suas receitas de fora do Brasil, fornecem isolamento razoável do ambiente macroeconômico e político do Brasil e tornam a Vale menos vulnerável a um declínio na qualidade do crédito soberano", afirmou em nota a vice-presidente e analista sênior da Moody's Barbara Mattos.

Em maio, a Moody's alterou a perspectiva do rating Baa2 da Vale para negativa, e nesta quarta-feira descartou qualquer melhora de rating até pelo menos meados de 2016.

A atual perspectiva negativa reflete a deterioração nos fundamentos de mercado para minério de ferro e metais básicos, em um período em que Vale está passando por forte expansão.

A agência ponderou que a companhia brasileira tem operações e resultados, em certa medida, expostos a fatores como taxas de juros, câmbio e inflação. No entanto, o benefício a partir da desvalorização do real --de 29 por cento acumulado de 2015-- mais do que compensa a pressão inflacionária sobre os custos.

Apesar da ampla exposição da companhia ao BNDES, que poderia ter disponibilidade de recursos influenciados por fatores macroeconômicos e políticos, a Moody's ressaltou que a mineradora tem amplo acesso ao financiamento externo.

A agência também não vê riscos de aumento de impostos pelo governo que poderiam impactar de forma relevante a Vale.

(Por Marta Nogueira)