13 de Agosto de 2015 / às 16:06 / em 2 anos

CSN contrata bancos para venda de ativos, negocia alongamento de dívidas de 2016 e 2017

SÃO PAULO (Reuters) - A Companhia Siderúrgica Nacional contratou bancos para auxiliá-la na venda de uma série de ativos não essenciais nos próximos meses e está perto de concluir negociações para alongamento de dívidas que vencem em 2016 e 2017, afirmaram executivos da empresa nesta quinta-feira.

Segundo o diretor de relações com investidores, Gustavo Henrique de Sousa, o alongamento da dívida dos dois próximos anos serve para dar “tranquilidade” para a companhia vender os ativos, depois que o nível de alavancagem da empresa ao final de junho chegou a 5,6 vezes a dívida líquida sobre o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda).

Durante teleconferência com analistas, os executivos da empresa não deram detalhes objetivos sobre o montante que a CSN pretende levantar com a venda de ativos para redução do nível de endividamento, tampouco quando ocorreria a primeira venda. Entre os alvos de venda mencionados há meses pela empresa está a participação acionária na rival Usiminas e o terminal de contêineres Sepetiba Tecon, no Rio de Janeiro.

Para frisar aos analistas o comprometimento da companhia em redução da alavancagem, o presidente da companhia, Benjamin Steinbruch, fez uma aparição rara durante a teleconferência e afirmou que a empresa vai “desmobilizar ativos periféricos” e que já contratou “bancos que vão nos auxiliar nessa proposta”.

A CSN terminou junho com dívida líquida de cerca de 20,8 bilhões de reais, aumento de 24 por cento sobre um ano antes impulsionado pela desvalorização do real ante o dólar.

Segundo analistas do Itaú BBA, 50 por cento da dívida da CSN está denominada em dólares e, por isso, a contínua desvalorização do real deve colocar pressão adicional sobre a alavancagem da empresa, que deve continuar crescendo.

De fato, a grande preocupação dos analistas na teleconferência envolveu a situação de endividamento da CSN, que tem vencimentos de 24 bilhões de reais nos próximos cinco anos.

O diretor-executivo da empresa, Paulo Rogério Caffarelli, afirmou que a CSN vai “conviver durante algum tempo com alavancagem acima do ideal”, mas que a estratégia de alongar as dívidas que vencem em 2016 e 2017 dará tempo para a venda de ativos sem atropelos e que os recursos dessas vendas serão destinados para pagamento de dívidas mais caras.

“Nosso foco agora é 2016 e 2017 e temos praticamente tudo readequado. É o prazo que precisamos para termos um grande volume de desinvestimento e o fruto desse desinvestimento vai pagar operações mais caras. Estamos confortáveis neste sentido”, disse Caffarelli.

A expectativa da CSN é de investimento de 1,3 bilhão de reais este ano e de 1,5 bilhão de reais em 2016. Em 2014, o investimento da empresa somou 2,24 bilhões de reais.

A companhia pagou 549 milhões de reais em dividendos e juros sobre capital próprio no primeiro trimestre, quantia que caiu para 3 milhões no segundo trimestre. Caffarelli afirmou que diante da urgência em redução do endividamento, “a questão dividendo não está na nossa agenda”. A empresa tem reduzido os pagamentos desde pelo menos 2012, quando distribuiu 1,2 bilhão de reais aos acionistas.

As ações da CSN despencavam mais de 8 por cento às 12h52, enquanto o Ibovespa mostrava baixa de 0,7 por cento. Segundo analistas do Bradesco BBI, apesar do valor da ação ter caído 50 por cento desde abril, “ainda não vemos isso como uma oportunidade de compra dado o risco representado pela alavancagem”.

Além da venda de ativos e negociação para alongamento de dívidas, a CSN também está internalizando caixa de subsidiárias no exterior, aproveitando a alta do dólar. A companhia terminou junho com caixa de 11,1 bilhões de reais, queda de 7 por cento sobre um ano antes. “Ao longo dos anos a empresa manteve posição de caixa relevante no exterior e é um bom momento internalizar isso agora”, disse Caffarelli.

Reportagem adicional de Paula Laier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below