Copersucar perde importante associada com agravamento dos problemas da indústria

quinta-feira, 13 de agosto de 2015 18:24 BRT
 

Por Reese Ewing

SÃO PAULO (Reuters) - A Copersucar, maior comercializadora de açúcar do Brasil, perdeu sem alarde o seu maior grupo usineiro em maio deste ano, o que destaca o aprofundamento da crise do setor que afeta um crescente número de usinas no maior produtor do mundo da commodity.

A saída do Grupo Virgolino de Oliveira (GVO), um dos fundadores da Copersucar em 1959, segue-se a quebra dos laços comerciais de outras usinas com a comercializadora, o que aumenta as dúvidas sobre a estabilidade da empresa apenas um ano após a criação de uma joint venture para comercialização de açúcar com a gigante norte-americana Cargill.

A Copersucar, que ainda tem mais de 40 usinas de açúcar associadas, não corre o risco de falhar em cobrir seus contratos de entrega e disse que não comentaria a saída da GVO.

O presidente-executivo da GVO, Joamir Alvez, que assumiu o grupo em janeiro para reestruturar suas dívidas, disse à Reuters que a ruptura formal em maio foi amigável e aconteceu por causa das condições deterioradas de crédito no setor de açúcar e etanol do Brasil, mais do que qualquer problema relacionado ao acordo da Copersucar com a Cargill.

"Se não fosse pela nossa necessidade de gerar rapidamente fluxo de caixa para operar, ainda estaríamos com a Copersucar", disse Alves, falando por telefone de uma usina da GVO em Catanduva, uma das quatro que operam no Estado de São Paulo, maior produtor de cana do Brasil.

A Copersucar estende garantias para suas usinas associadas para ajudá-las a assegurar empréstimos bancários e, em troca, a operadora tem os direitos exclusivos de vender 100 por cento do açúcar e do etanol das usinas.

Porém a GVO atingiu os limites de garantias que a Copersucar poderia oferecer, disse Alves.

"Os bancos apertaram seus requisitos para usinas após o default da Aralco (uma das que deixou a Copersucar)", que aconteceu no início de 2014, ele disse. "Nós precisávamos de dinheiro rapidamente e a Copersucar não poderia fazer isso por nós."   Continuação...