Gol diz que indicador de preços de passagens tende a se recuperar

sexta-feira, 14 de agosto de 2015 12:14 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Gol disse que medidas a serem tomadas para reduzir sua oferta no mercado doméstico e ajustar sua política de precificação permitem falar em uma tendência de recuperação a partir de agora no indicador que mede os preços de passagens (yield), que sofreu uma queda de 17 por cento no segundo trimestre.

A menor demanda de clientes corporativos e iniciativas para atrair passageiros a lazer com preços reduzidos se refletiram, entre outros fatores, em uma redução de 10,5 por cento na receita líquida da Gol de abril a junho ante o mesmo período do ano passado.

O presidente-executivo da Gol, Paulo Kakinoff, disse que os próximos trimestres devem ser melhores que o segundo, após a companhia reduzir sua projeção de crescimento da oferta no Brasil em 2015 para uma faixa entre zero e queda de 1 por cento, ante previsão anterior de crescimento zero.

Questionado sobre o motivo de a companhia não ter previsto uma redução ainda maior diante dos números fracos de receita, Kakinoff afirmou que pouco adianta que a Gol tome a iniciativa isoladamente.

"Não faz sentido que Gol e Latam continuem reduzindo a oferta além do que já foi anunciado sem que haja o mesmo comportamento dos demais 'players'", afirmou, referindo-se às rivais Azul e Avianca. Segundo ele, uma redução de oferta em centros importantes de conexões também poderia provocar a migração de clientes para a concorrência, sem necessariamente aumentar o yield.

"Ainda assim estamos fazendo a redução porque há uma parcela da malha em que podemos fazer sem comprometer", disse.

Na avaliação do executivo, uma recuperação da economia que impacte o setor deve ocorrer em uma velocidade lenta e gradual. Em agosto, o número de passageiros já teve alguma retomada, mas com clientes buscando tarifas menores, mudança à qual a Gol tem buscando se adaptar com ajustes no modelo tarifário.

Por conta da possibilidade de recuperação do yield e da volatilidade do mercado, a Gol preferiu ainda não revisar projeções financeiras, como a de margem operacional de 2 a 5 por cento em 2015. No primeiro semestre, a margem operacional ficou negativa em 2,1 por cento.

  Continuação...