Escala de navios aponta forte alta na demanda por grãos do Brasil

segunda-feira, 17 de agosto de 2015 10:33 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - A escala de navios previstos para carregar grãos nos portos brasileiros nas próximas semanas está mais de 70 por cento superior à da mesma época do ano passado, indicando uma forte demanda pelos produtos brasileiros, que ganharam competitividade com a desvalorização do real.

Dados da agência marítima Williams analisados pela Reuters mostram que há atualmente 80 navios previstos para carregar soja nos portos brasileiros, totalizando 4,78 milhões de toneladas. Para o milho, a escala mostra 82 navios, somando 4,53 milhões de toneladas.

Nesta mesma época no ano passado, a escala para embarques de soja somava 3,2 milhões de toneladas em 57 navios, e a de milho 2,16 milhões em 40 navios.

Somando-se as previsões de volume para os dois grãos, a escala atual está 73 por cento maior que a de meados de agosto passado. O Brasil é o maior exportador global de soja e o segundo em milho.

"Devido à forte depreciação do real, o preço da soja brasileira se torna atrativo para importadores", destacou o analista Luciano Marques, da Gama Corretora, de Santos (SP).

Os preços da soja no porto de Paranaguá, por exemplo, estão no maior valor nominal em cerca de três anos, a 79,53 reais por saca, segundo o indicador Esalq/BM&FBovespa, que afere os negócios realizados nos armazéns e no corredor de exportação.

Os preços da oleaginosa no Brasil têm subido, apesar de um recuo nas cotações na bolsa de Chicago, impulsionados por uma valorização do dólar frente o real de cerca de 30 por cento este ano.

Os prêmios oferecidos pela oleaginosa nos portos também ajudam a compor o quadro de preços elevados e demonstram grande interesse pelo grão brasileiro, mesmo após o pico do escoamento da safra nacional de soja e às vésperas do início da colheita norte-americana.   Continuação...

 
Caminhão sendo carregado com soja em fazendo na cidade de Primavera do Leste. REUTERS/Paulo Whitaker