Eletrobras espera definição sobre indenizações de transmissão neste ano

segunda-feira, 17 de agosto de 2015 16:06 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica estatal Eletrobras aguarda que o governo defina ainda neste ano o valor e forma de pagamento de indenizações a que suas controladas têm direito pela renovação, em 2013, de concessões de linhas de transmissão de energia que ainda possuíam investimentos não amortizados.

O diretor de Relações com Investidores da Eletrobras, Armando Casado, lembrou nesta segunda-feira, em teleconferência com analistas, que as controladas da estatal pediram um total de cerca de 21 bilhões de reais em indenizações à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), dos quais 1 bilhão de reais, referentes à Eletrosul, já foram reconhecidos.

Ele disse que a empresa aguarda definição sobre forma de pagamento desse montante reconhecido no próximo trimestre.

"Temos uma pressa enorme quanto a isso, então espero que saia o mais rápido possível. Minha expectativa é que no próximo trimestre já tenhamos essa forma (de pagamento) definida", disse Casado.

De acordo com o diretor, a Eletronorte pleiteia cerca de 2,5 bilhões de reais, a Chesf cerca de 5,6 bilhões, enquanto Furnas pediu aproximadamente 10,7 bilhões de reais.

Após a Aneel homologar o valor a que cada empresa tem direito, o que já aconteceu no caso da Eletrosul, o Ministério de Minas e Enegia definirá as condições em que o pagamento acontecerá.

“O ministério vai estabelecer a forma, o custo, como vai pagar, e a questão dos impostos. Foi encaminhado e estamos acompanhando. Não tenho nenhuma data para isso, mas a Eletrosul vai ser uma referência para todas as demais indenizações que forem saindo”, comentou Casado, em referência ao fato de a empresa ter sido a primeira a ter o valor pedido analisado e homologado pela Aneel.

Casado afirmou que os laudos sobre valor da indenização produzidos pelas demais empresas da Eletrobras estão em avaliação no regulador, e a expectativa é de que até setembro sejam tomadas decisões referentes às subsidiárias Chesf e Eletronorte, enquanto Furnas ficaria para o último trimestre, por ter entrado com o pedido depois.

"Só mesmo quando tivermos essas questões definidas é que vamos registrar esse ativo (no balanço) da Eletrosul e nas demais (subsidiárias)", disse Casado.   Continuação...