Cresce preocupação da Opep com queda do petróleo, mas corte de produção é descartado

sexta-feira, 21 de agosto de 2015 12:33 BRT
 

Por Rania El Gamal e Alex Lawler

DUBAI/LONDRES (Reuters) - Alguns membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) no Golfo Pérsico estão preocupados com a recente queda nos preços do petróleo, que não era esperada, disseram delegados da entidade, embora ela veja poucas chances para o grupo mudar a estratégia de defender fatia de mercado.

O Brent está sendo negociado abaixo de 46 dólares por barril, perto da mínima de 2015, após um recuo de 18 por cento em julho, pressionado pela grande oferta global e por preocupações com a saúde da economia chinesa, segundo maior consumidor global de petróleo.

Apesar disso, delegados da Opep ouvidos pela Reuters, incluindo membros do Golfo que pediram para não ser identificados, disseram que a China ainda está comprando e estocando petróleo e que esperam que uma recuperação da demanda global possa impulsionar as cotações para perto de 60 dólares por barril no próximo ano.

"Há uma preocupação com a saúde da economia chinesa, mas, como os números têm mostrando, a necessidade de importação de petróleo está aumentando", disse um delegado de um país do Golfo membro da Opep.

"Os preços do petróleo continuarão voláteis... mas eles vão se recuperar", disse o delegado, acrescentando que ele não espera que o grupo adote nenhuma medida agora "devido à incerteza" no mercado.

Membros da Opep no Golfo, relativamente ricos, estão mais aptos a enfrentar a baixa nos preços do que os membros africanos, o Irã e a Venezuela.

Liderados pela Arábia Saudita, os membros do Golfo deram uma guinada na estratégia do grupo no ano passado, permitindo uma queda nos preços para desencorajar o crescimento de oferta de concorrentes.

"É claro que todo mundo está preocupado, mas nós esperamos que no quarto trimestre o mercado começará a se recuperar", disse uma segunda fonte da Opep, citando o fim da temporada de manutenção de refinarias que deverá elevar a demanda por petróleo.

"Os preços deverão ficar pressionados até a esperada melhora na demanda no próximo ano, e então eles poderão atingir 55 a 60 dólares", disse um terceiro delegado da Opep.

A Opep atualmente espera uma aceleração do crescimento da demanda global por petróleo no próximo ano para 1,34 milhão de barris por dia, ante crescimento de 1,28 milhão este ano.