Bovespa tem maior alta diária desde dezembro por Wall St e bancos

quarta-feira, 26 de agosto de 2015 19:34 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO, (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou a quarta-feira com a maior alta percentual em mais de oito meses, retomando o nível de 46 mil pontos, em meio à disparada das bolsas em Nova York e ganhos fortes de bancos brasileiros, após comissão no Congresso Nacional aprovar aumento menor de CSLL para instituições financeiras.

O Ibovespa subiu 3,35 por cento, a 46.038 pontos. Foi a maior alta desde 17 de dezembro de 2014. O giro financeiro totalizou 5,56 bilhões de reais.

Wall Street encerrou com o S&P 500 em alta de 3,90 por cento e o Dow Jones avançou 3,95 por cento, conforme preocupações com a economia chinesa deram espaço a apostas de que o Federal Reserve não deve elevar os juros no próximo mês, cenário que tende a favorecer o mercado acionário.

O presidente do Fed de Nova York, William Dudley, endossou tais expectativas ao afirmar que parece menos apropriado que banco central dos Estados Unidos aumente os juros no mês que vem, tendo em vista que a recente turbulência nos mercados globais elevou os riscos à economia norte-americana.

A ausência de grandes novidades no campo político corroborou a recuperação do pregão local, mas agentes financeiros seguem cautelosos e no aguardo de desdobramentos de eventos como a ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pede a cassação da presidente Dilma Rousseff.

DESTAQUES

=ITAÚ UNIBANCO fechou em alta de 6,04 por cento e BRADESCO avançou 4,92 por cento, respondendo pelas maiores contribuições para o avanço do Ibovespa, após comissão mista no Congresso Nacional aprovar parecer sobre aumento da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) de instituições financeiras para 20 por cento até 1º de janeiro de 2019, contra proposta inicial da relatora de alta a 23 por cento e sem prazo de vigência. BANCO DO BRASIL subiu 4,92 por cento e SANTANDER BRASIL ganhou 5,56 por cento.   Continuação...

 
Estudantes visitam BM&F Bovespa, em São Paulo. 24/08/2015 REUTERS/Paulo Whitaker