Petrobras prevê mais US$4,3 bi para obras de refinaria no Rio

quinta-feira, 27 de agosto de 2015 15:51 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras prevê necessidade de investimento de 4,3 bilhões de dólares para concluir obras da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) e do primeiro trem de refino do Comperj, um dos empreendimentos envolvidos em um bilionário esquema de corrupção investigado pela operação Lava Jato.

A maior parte deste investimento, ou 2,3 bilhões de dólares, precisaria ser realizada na conclusão do trem de refino, disse nesta quinta-feira o diretor de Engenharia da estatal, Roberto Moro, durante uma audiência da CPI da Petrobras, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que apura efeitos das descobertas da Lava Jato na economia do Estado.

Os outros 2 bilhões de dólares, disse o diretor, precisariam ser aportados na conclusão da UPGN do chamado Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), que possivelmente ficará sem a parte petroquímica, após a Braskem ter anunciado no início do ano que não mais participará do projeto.

A Petrobras já gastou 11 bilhões de dólares no Comperj, um empreendimento que ao final pode ser tão custoso quanto a Refinaria do Nordeste (Abreu e Lima), também envolvida no escândalo de corrupção, que ainda não está totalmente concluída e cujo orçamento atingiu 18,5 bilhões de dólares.

No balanço do ano passado, a companhia anunciou redução de mais de 44 bilhões de reais no valor de seus ativos, com a Rnest e o Comperj respondendo por cerca de 70 por cento dessa desvalorização, e com a empresa citando diversos problemas, como falha no planejamento dos projetos. A estatal ainda contabilizou perdas de 6,2 bilhões de reais por corrupção em 2014.

Ainda durante a audiência, que ocorreu após protestos de trabalhadores do Comperj esta semana, o diretor de Abastecimento da Petrobras, Jorge Celestino, afirmou que o trem 1 do empreendimento pode ficar para 2020, se não houver parceiros.

Ele acrescentou que a empresa busca sócios para concluir o projeto, visando antecipar o cronograma.

Celestino declarou também que não há previsão para a construção de um segundo trem de refino no Comperj, diante do atual cenário do mercado global de petróleo --parte dos 11 bilhões de dólares já investidos incluem obras que contemplam a eventual futura expansão da unidade (trem 2).   Continuação...