CEO da Lufthansa defende cortes de custos e pilotos ameaçam com novas greves

quarta-feira, 2 de setembro de 2015 10:50 BRT
 

FRANKURT/VIENA (Reuters) - O presidente-executivo da Lufthansa, Carsten Spohr, defendeu nesta quarta-feira a linha dura da companhia alemã frente às greves, após o sindicato dos pilotos Vereinigung Cockpit ameaçar mais greves em uma disputa sobre benefícios de aposentadoria e cortes de custos.

O sindicato disse mais cedo que a companhia aérea rejeitou sua proposta de concessões em uma disputa de longa data que já provocou uma dúzia de greves nos últimos 18 meses e custou à empresa milhões de euros.

As paralisações podem ocorrer a qualquer momento e podem atingir a Lufthansa, seu braço de cargas Cargo e as linhas aéreas de baixo custo Germanwings, disse o sindicato em um comunicado.

"Se greves são o preço a se pagar para fazer a Lufthansa se encaixar no futuro, então nós devemos pagar", disse a jornalistas o presidente-executivo da Lufthansa, nos bastidores de uma conferência em Viena.

A Lufthansa está enfrentando um grande déficit previdenciário em um quadro de taxas de juros baixas. A empresa diz que precisa cortar custos para evitar a perda de participação de mercado para companhias aéreas de baixo custo na Europa e competidoras mais ágeis, como a Turkish Airlines e a Emirates em rotas de longa distância.

"Nós ainda não chegamos à mesma conclusão de como a Lufthansa deve ser estruturada de maneira a lidar com as rivais, que estão batendo em nossa porta e ameaçando trazer uma nova onda de voos de baixo custo para a Alemanha e Áustria", concluiu Spohr.

(Por Maria Sheahan e Angelika Gruber)