Dilma diz que déficit é ruim e não descarta CPMF para elevar arrecadação

quarta-feira, 2 de setembro de 2015 13:51 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff reconheceu nesta quarta-feira que o déficit primário previsto no Orçamento enviado por seu governo ao Congresso é ruim e não descartou a recriação da CPMF e outras fontes de arrecadação para combater o rombo nas contas públicas.

Em entrevista a jornalistas no Palácio do Planalto, a presidente disse que o governo assume a responsabilidade na busca de uma solução para o déficit e que enviará propostas neste sentido ao Congresso.

"Eu não estou afastando nem acrescentando nada. Eu não gosto da CPMF, se você quer saber, acho que a CPMF tem as suas complicações, mas não estou afastando a necessidade de fontes de receita. Não estou afastando nenhuma fonte de receita, quero deixar isso claro para depois, se houver a necessidade de a gente enviar esta fonte nós enviaremos", disse Dilma.

Diante das dificuldades enfrentadas para reequilibrar as contas públicas, o governo estuda a criação de um novo tributo nos moldes da extinta Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF), que taxa todas as movimentações bancárias.

Dilma disse ainda que o governo está sendo "transparente" ao enviar para o Congresso uma peça orçamentária para o ano que vem que prevê um déficit primário inédito de 30,5 bilhões de reais.

"Nós vamos buscar reduzir esse déficit que está ocorrendo. Nós estamos evidenciando que há um déficit. Estamos sendo transparentes e mostrando claramente que tem um problema", disse Dilma, que previu que a inflação será reduzida no futuro e que o crescimento econômico será retomado com os investimentos em energia e infraestrutura e com o aumento das exportações.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)