BCE vê inflação e crescimento mais fracos da zona do euro e diz estar pronto para agir

quinta-feira, 3 de setembro de 2015 11:34 BRT
 

Por John O'Donnell e Francesco Canepa

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) cortou suas projeções de inflação e crescimento econômico da zona do euro nesta quinta-feira, e seu presidente, Mario Draghi, disse que a situação pode ficar ainda pior.

Draghi prometeu reforçar ou prolongar o programa de compra de títulos do banco se o cenário realmente acabar piorando mais, apesar de ele ter dito que ninguém no Conselho argumentou a favor de tal medida agora.

O BCE, que manteve as taxas de juros inalteradas em uma decisão amplamente prevista, disse que as chances de não atingir a meta de inflação no médio prazo cresceram devido aos preços baixos de petróleo, ao crescimento mais fraco na China e outros mercados emergentes e à apreciação do euro.

Draghi disse que o programa de compra de títulos de mais de 1 trilhão de euros está progredindo de maneira tranquila, ainda que lentamente, e que o Conselho está pronto e disposto para adotar mais medidas de política monetária, mas que decidiu que seria prematuro fazer isso agora.

"Particularmente (o Conselho) recorda que o programa de compra de ativos oferece flexibilidade suficiente em termos de ajuste de tamanho, composição e duração do programa", afirmou ele em entrevista à imprensa.

Em uma pequena mudança ao programa de estímulo --também conhecido como "quantitative easing" (QE)-- o banco concordou em aumentar a fatia de qualquer emissão de bônus soberanos que pode comprar para 33 por cento ante 25 por cento, desde que isso não dê a ele uma minoria com poder de veto entre os detentores de bônus.

O BCE projetou que a inflação ficará em meros 0,1 por cento neste ano, 1,1 por cento em 2016 e 1,7 por cento em 2017, em comparação a 0,3, 1,5 e 1,8 por cento nas projeções de junho respectivamente.

O banco reduziu sua projeção de crescimento da zona do euro para 1,4 por cento em 2015, 1,7 por cento no ano que vem e 1,8 por cento em 2017, ante estimativas de junho de 1,5, 1,9 e 2,0 por cento respectivamente.   Continuação...