Dólar opera quase estável ante real de olho em CSLL, em meio a cena local conturbada

quinta-feira, 3 de setembro de 2015 13:15 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar reduziu a alta e operava quase estável sobre o real nesta quinta-feira, por expectativas de vendas de divisas após a Câmara aprovar o texto-base da MP que eleva a CSLL sobre instituições financeiras, além de entradas de divisas com fim de puxar para baixo a Ptax, taxa estimada pelo Banco Central que serve de referência para diversos contratos cambiais.

Às 13:10, o dólar tinha leve alta de 0,01 por cento, a 3,7603 reais na venda.

Na máxima da sessão, a moeda norte-americana atingiu 3,8175 reais, maior nível intradia desde 11 de dezembro de 2002 (3,8200 reais), em meio ao quadro local conturbado. Enquanto na mínima, a divisa recuou 0,21 por cento, a 3,7519 reais.

"(A queda) aconteceu justo quando a Câmara dos Deputados iniciou a votação da medida provisória que aumenta a alíquota da Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) do setor financeiro", escreveu o operador da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa, em nota a clientes.

Segundo o texto-base aprovado pela Câmara, a CSLL subirá para 20 por cento até 1º de janeiro de 2019, ante os atuais 15 por cento, o que pode levar bancos brasileiros com subsidiárias no exterior a vender dólares para manter sua proteção cambial.

Essas expectativas se somaram, segundo operadores, a entradas de divisas relacionadas ao cálculo da Ptax. "Desde cedo, o mercado está tentando puxar a Ptax para baixo", disse o gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, Francisco Carvalho,

A moeda norte-americana vinha operando em alta pela quarta sessão seguida desde o começo dos negócios, refletindo as preocupações com o futuro do ajuste fiscal.

No início da semana, o governo enviou ao Congresso Nacional proposta para o Orçamento de 2016 prevendo inédito déficit primário. A notícia deu força a preocupações com o comprometimento do governo com o ajuste fiscal e com a perda do selo de bom pagador do Brasil, catapultando o dólar em relação ao real.

"Não tem novidade: o cenário local está cada vez mais deteriorado", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.   Continuação...