Bovespa fecha em alta de quase 2% com Levy em foco, apesar de NY

quinta-feira, 3 de setembro de 2015 18:06 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou com o seu principal índice em alta pelo segundo pregão consecutivo nesta quinta-feira, resistindo ao enfraquecimento em Wall Street, com a parte da tarde marcada por ruídos envolvendo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

O relativo alívio na cena externa nesta sessão, com a ajuda de feriado na China, endossou nova correção local dado o nível técnico de várias ações, apesar das perspectivas deterioradas para a economia e o quadro político instável no Brasil.

O Ibovespa subiu 1,94 por cento, a 47.365 pontos.

O giro financeiro totalizou 7,7 bilhões de reais.

Nos Estados Unidos, ao S&P 500 subiu apenas 0,12 por cento, em meio à cautela antes de dados do mercado de trabalho norte-americano na sexta-feira, que podem dar pistas sobre a decisão do Federal Reserve sobre juros este mês.

O quadro externo também encontrou certo suporte na sinalização do Banco Central Europeu (BCE) de que está pronto a atuar diante de qualquer sinal adicional de deterioração das condições econômicas e financeiras na região.

No Brasil, o cancelamento de viagem do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para a Turquia, onde participaria de reunião do G20, adicionou volatilidade aos negócios no início da tarde, levando o Ibovespa à mínima do dia, com queda de 0,4 por cento.

Operadores afirmaram que houve algum "estresse" com a notícia do cancelamento da viagem, seguida de uma melhora de percepção após notícias sobre reunião de Levy com a presidente Dilma Rousseff e os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Casa Civil, Aloizio Mercadante, em meio a rumores de que o titular da Fazenda voltará a dar as cartas na economia.   Continuação...