Poupança tem saída líquida recorde em agosto, de R$7,502 bi

sexta-feira, 4 de setembro de 2015 15:56 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A caderneta de poupança registrou saída líquida de 7,502 bilhões de reais em agosto, a pior para o mês na série histórica iniciada em 1995, dando sequência à trajetória de perdas num ano em que a inflação em alta vem pressionando o bolso dos brasileiros.

Enquanto o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) sofreu retirada líquida de 7,232 bilhões de reais no mês, a poupança rural teve saída de 270,130 milhões de reais, informou o Banco Central nesta sexta-feira.

No ano, a poupança geral acumula perda líquida de 48,497 bilhões de reais, também recorde para o período.

O desempenho tem como pano de fundo cenário de preços em persistente alta, afetando a renda disponível num momento de economia em recessão e fraqueza no mercado de trabalho.

Para combater a inflação, que no acumulado em 12 meses se aproxima de 10 por cento, o BC elevou os juros em 3,25 pontos percentuais de outubro do ano passado a julho deste ano, decidindo deixá-los inalterados em 14,25 por cento ao ano na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na quarta-feira.

Uma das consequências do aperto foi também deixar a tradicional caderneta menos atrativa para os investidores. A poupança medida pelo SBPE é a principal fonte de financiamento imobiliário do país.

Mas com a Selic mais alta, aumenta a distância entre o rendimento da poupança, de 6 por cento ao ano mais um pequeno acréscimo da Taxa Referencial (TR), e aplicações cuja remuneração é baseada na Selic.

A sangria na caderneta vem afetando o financiamento imobiliário, já que, pelas regras do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), 65 por cento dos depósitos na caderneta devem ser obrigatoriamente direcionados ao crédito habitacional.

Com a escassez de recursos, vários bancos endureceram neste ano as regras para a concessão de empréstimos, entre eles a Caixa, líder no setor.

(Por Marcela Ayres)