DIs disparam após S&P rebaixar Brasil e mostram novas altas da Selic em breve

quinta-feira, 10 de setembro de 2015 16:46 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - As taxas dos contratos de juros futuros dispararam nesta quinta-feira, com investidores exigindo rendimentos maiores de papéis de dívida do Brasil após a Standard & Poor's rebaixar o Brasil ao grau especulativo, aumentando a pressão para que o Banco Central volte a elevar os juros em breve.

O contrato para janeiro de 2017, por exemplo, fechou a 15,28 por cento, contra 14,90 por cento na véspera. Já o DI para janeiro de 2021 avançou 0,41 ponto percentual, a 15,15 por cento.

"Para o BC evitar mais fugas de capital, pode ter que elevar os juros", disse o operador da corretora Renascença Thiago Castellan Castro, ressaltando também que a reação do governo ao rebaixamento da S&P decepcionou. "A falta de um anúncio produtivo, corte de gastos, fez o humor azedar", acrescentou.

A agência de classificação de risco S&P rebaixou o Brasil para "BB+", contra "BBB-", dias após o governo prever inédito déficit primário em 2016. Além de remover o grau de investimento, a S&P sinalizou que pode colocar o país ainda mais para dentro do território especulativo, ao manter a perspectiva negativa para a nota de crédito brasileira, o que significa que novo rebaixamento pode ocorrer no curto prazo.

A decisão levou o dólar a disparar a até 3,91 reais nesta manhã, maior nível desde o fim de 2002, aproximando-se das máximas históricas. O fortalecimento da moeda norte-americana tende a aumentar a inflação, uma vez que encarece importados.

A alta dos DIs ganhou mais um impulso no fim da sessão durante entrevista do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Investidores esperavam anúncio de corte de gastos, medida que julgam necessária para o reequilíbrio das contas públicas do país, e tiveram essas esperanças frustradas.

Segundo operadores, a curva de DIs passou a apontar aumento de mais de 0,75 ponto percentual na Selic ao todo em 2015. Muitos agentes financeiros ressaltaram que essa precificação contém alguns exageros e deve ser reduzida nas próximas semanas, na ausência de grandes surpresas, embora a probabilidade de aumentos de juros no curto prazo não deva desaparecer por completo.

"A chance de o BC subir a Selic cresceu, mas muito disso é prêmio (de risco). O mercado está muito assustado", disse o estrategista de renda fixa da corretora Coinvalores, Paulo Celso Nepomuceno.   Continuação...