Falhas em governança custarão até US$59 bi à Petrobras, diz estudo

quinta-feira, 10 de setembro de 2015 19:56 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - Os processos movidos por acionistas exigindo indenizações por perdas com corrupção e informações supostamente falsas devem dar dor de cabeça à Petrobras por bastante tempo, mas isso está longe de ser a maior fonte de estragos financeiros da estatal, segundo um levantamento obtido pela Reuters.

Segundo o estudo da consultoria europeia Management & Excellence, processos civis, trabalhistas, tributários, entre outros, devem render à estatal um custo de 59 bilhões de dólares, sem contar eventuais indenizações que a empresa venha a ter que pagar por processos movidos por investidores nos EUA, por conta do escândalo de corrupção investigado pela Lava Jato.

Para efeito de comparação, o valor de mercado da companhia era de 31,4 bilhões de dólares, segundo dados da BM&FBovespa referentes ao valor de fechamento de quarta-feira.

O valor corresponde à soma de processos que a própria empresa reconheceu como perdas prováveis no balanço do primeiro semestre. Só em causas tributárias, a maior fonte delas, a perda esperada pela estatal supera 31 bilhões de dólares.

A conta da consultoria inclui também 17 bilhões de dólares relacionados à baixa contábil feita empresa, principalmente em ativos de refino, devido a valores inflados por sobrepreços pagos às construtoras das obras.

Processo civis e trabalhistas devem responder por pouco mais de 8 bilhões de dólares em perdas.

"A governança ruim causou problemas em várias frentes para a Petrobras, não apenas a corrupção. As ervas daninhas ainda estão crescendo e o problema está longe de terminar", disse à Reuters William Cox, sócio-fundador da M&E.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto até a publicação desta reportagem.   Continuação...