Solo adubado compensa recuo nas vendas de fertilizantes na safra 15/16, diz Agroconsult

sexta-feira, 11 de setembro de 2015 16:26 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - Produtores brasileiros de grãos deverão reduzir levemente o uso de fertilizantes na nova safra, em meio a uma alta nos preços e a um calendário apertado para as compras, mas o potencial de produtividade das lavouras será garantido por bons estoques de nutrientes no solo, mostram dados da consultoria Agroconsult.

A consultoria estima que as vendas de fertilizantes fecharão o ano 2 por cento abaixo do volume recorde de 2014.

"O problema é calendário. Apesar das dificuldades, não havia intenção de redução de tecnologia, mas a execução desse plano (de aquisições) foi tardia", disse o sócio da Agroconsult Cleber Vieira, especialista do setor de fertilizantes.

As vendas e as entregas de fertilizantes foram lentas no primeiro semestre, com produtores rurais retraídos por um aperto nos financiamentos e preços mais altos, principalmente de produtos importados influenciados pela alta do dólar, como é o caso das matérias-primas dos adubos.

O preço dos fertilizantes em real subiu 40 por cento em média em 2015 na comparação com 2014, estimou a Agroconsult.

Até o final de julho o volume entregue pelas indústria aos agricultores estava 7,7 por cento abaixo do mesmo período de 2014, de acordo com dados do setor.

Segundo Vieira, as vendas de fertilizantes estão aquecidas neste momento que antecede o plantio da safra 2015/16 de soja e milho --culturas que recebem os maiores volumes de fertilizantes--, mas não haverá tempo para recuperar todo o atraso.

"Não dá para entregar adubo em novembro e dezembro, porque o plantio já ocorreu", destacou o analista.   Continuação...