Governo anunciará medidas de R$65 bi para garantir superávit primário em 2016, dizem fontes

segunda-feira, 14 de setembro de 2015 15:50 BRT
 

Por Leonardo Goy e Patrícia Duarte

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - O governo federal anunciará medidas de austeridade fiscal que somam 65 bilhões de reais, afirmaram nesta segunda-feira duas fontes do Executivo com conhecimento sobre o assunto.

Uma das fontes, um ministro que participou nesta manhã da reunião de coordenação com a presidente Dilma Rousseff, disse à Reuters que as medidas envolvem cortes de gastos e aumentos de receita.

O objetivo do governo é reverter o déficit primário na proposta orçamentária de 2016 e garantir um superávit primário equivalente a 0,7 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) no ano que vem.

Na última quarta-feira, a agência de classificação de risco Standard & Poor's retirou o selo de bom pagador do Brasil e manteve a perspectiva "negativa", o que significa chance de novo rebaixamento à frente, alegando desafios políticos crescentes que impedem melhor coordenação do governo, sem força para garantir a aprovação de medidas fiscais para melhorar as contas públicas.

Dilma enfrenta uma grave crise econômica --com a atividade em recessão e inflação elevada-- e política, ambiente conturbado também pelos desdobramentos da operação Lava Jato, que investiga corrupção envolvendo empresas estatais, órgãos públicos, empreiteiras e políticos.

No fim de agosto, o governo apresentou ao Congresso Nacional proposta orçamentária de 2016 com previsão de déficit primário --economia feita para pagamento de juros da dívida pública-- de 30,5 bilhões de reais para a União, o equivalente a 0,5 por cento do PIB.

Cerca de um mês antes, o mesmo governo havia reduzido a meta fiscal do ano que vem, mas para um superávit primário correspondente a 0,7 por cento do PIB, o que já tinha incomodado bastante agentes econômicos.

A própria Dilma já afirmou, após a entrega da proposta orçamentária de 2016 com previsão de déficit, que vai perseguir a meta de 0,7 por cento em 2016.   Continuação...