Biosev vê entressafra de cana curta e chance de grande safra em 16/17

segunda-feira, 14 de setembro de 2015 18:32 BRT
 

Por Marcelo Teixeira e Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A Biosev, segunda maior processadora de cana-de-açúcar do mundo, avalia que a próxima entressafra no centro-sul do Brasil deverá ser mais curta que o normal, com usinas levando mais tempo para terminar os trabalhos projetados para a safra atual (2015/16) e com uma retomada das atividades mais cedo na próxima temporada (2016/17), com mais matéria-prima bisada disponível.

O presidente-executivo da Biosev, Rui Chammas disse ainda, em entrevista à Reuters, que o mercado de açúcar está começando a ter uma virada nos preços, indicado no rali da semana passada, uma vez que um déficit entre oferta e demanda do adoçante começa a aparecer no mundo com alguns produtores se recusando a vender nos preços atuais.

Segundo Chammas, uma próxima entressafra mais curta está associada a dificuldades climáticas e financeiras do setor no Brasil, com dívidas levando muitos grupos a fecharem as portas, o que reduziu a capacidade do parque industrial da principal região produtora do país.

"Com certeza teremos uma entressafra menor no Brasil na próxima safra. Como nós temos mais cana do que a capacidade industrial de processar esse volume, já que quase 40 usinas fecharam desde 2010, as usinas vão moer até mais tarde, também devido a períodos de chuva", disse Chammas nesta segunda-feira.

A moagem de alguns grupos industriais poderia se prolongar em 15/16 até dezembro, em meio à influência do fenômeno climático El Niño, que tem trazido mais chuvas para algumas áreas, impedindo a colheita nas áreas com solo encharcado.

Ou mais cana também pode ser deixada nos campos para a moagem no ano que vem, após o tradicional período de manutenção da entressafra, devido ao menor número de usinas, com o setor sofrendo após anos de baixos preços do açúcar, subsídios à gasolina e elevação de dívidas, especialmente as dolarizadas.

A chamada cana bisada, que sobra da última safra, é a primeira a ser processada, no início da temporada. Oficialmente, o centro-sul inicia a moagem em abril, mas muitos grupos já poderiam começar os trabalhos em março.

"E vai ficar cana (da safra 2015/16) no campo, e algumas vão iniciar mais cedo. Por isso também não preocupa a questão de abastecimento do etanol. Vai ter combustivel para suprir o mercado. Números mostram que não teremos estresse de oferta", completou ele, referindo-se a vendas recordes do biocombustível recentemente, com o etanol mais competitivo que a gasolina em importantes regiões consumidoras.   Continuação...