Ações de MRV e Direcional saltam 6% com efeito limitado de pacote fiscal no MCMV

terça-feira, 15 de setembro de 2015 15:06 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - As ações das construtoras com exposição ao programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) avançavam ao redor de 6 por cento nesta terça-feira, em meio à avaliação de que o pacote fiscal do governo deve ter efeito limitado sobre o programa habitacional, embora riscos para o setor permaneçam no horizonte.

Às 15h03, MRV Engenharia subia 5,97 por cento, enquanto Direcional Engenharia avançava 6,07 por cento.

Na segunda-feira, entre outras medidas, a equipe econômica da presidente Dilma Rousseff anunciou redução dos gastos com MCMV, com direcionamento de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o pagamento de parte das despesas da Faixa 1 do programa.

Operadores ouvidos pela Reuters atrelavam a forte alta das ações ao alívio quanto à chance de as medidas fiscais terem um impacto negativo mais forte no MCMV.

O Bradesco BBI destacou que a proposta evita outro corte no programa por ora, mas afirmou que o governo já deve cerca de 8 bilhões de reais para o FGTS, uma vez que o fundo já vem pagando por alguns dos subsídios, conforme relatório a clientes.

"Nós acreditamos que este 'empréstimo' poderia seguir se traduzindo em aumento nos atrasos dos pagamento no curto a médio prazo, mantendo sob os holofotes as preocupações já existentes relacionadas com o programa", afirmou o analista Luiz Mauricio Garcia.

O BTG Pactual apontou que se o FGTS assumir os custos do MCMV, praticamente nada muda para as empresas do setor. "Mas há o risco disso não ser aprovado, o que significaria que o MCMV poderia sofrer cortes ainda maiores", afirmou em nota a clientes.

Os analistas do BTG também avaliam que os riscos em torno do programa devem continuar, citando atrasos nos pagamentos do governo, um número baixo ou mesmo inexistente de novos projetos no Faixa 1 e concentração de gastos do MCMV em 2017 a 2018.

(Por Paula Arend Laier)