Plano decenal de energia mantém previsão de aumento na produção de petróleo do país

quarta-feira, 16 de setembro de 2015 17:10 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Plano Decenal de Expansão de Energia 2024 do Brasil prevê que a produção de petróleo do país poderá dobrar em relação ao nível atual, para 5 milhões de barris/dia, número estável em relação ao plano anterior, informou nesta quarta-feira a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que elaborou o documento.

A produção de petróleo do país em julho somou 2,47 milhões de barris/dia, segundo o dado mais atual da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O plano, colocado em consulta pública pelo Ministério de Minas e Energia até o dia 7 de outubro, manteve a expectativa de produção de petróleo do país no horizonte de dez anos, na comparação com o plano divulgado no ano passado, apesar de recentes cortes de investimentos da Petrobras.

O presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, admitiu nesta quarta-feira que a curva de crescimento da produção de petróleo no país está atrasada, mas frisou que a projeção de produção do órgão para o longo prazo "dá para alcançar sem problema".

"Nesse horizonte em que estamos falando (de 10 anos), tem toda condição de retomar o nível de investimento em produção", afirmou Tolmasquim a jornalistas, durante evento em São Paulo, destacando que tanto a Petrobras quanto petroleiras privadas têm compromissos a cumprir com a ANP.

"Olhando os compromissos que estão estabelecidos, você vê que é possível chegar a esse valor", declarou.

A estatal, a maior produtora de petróleo do país, responsável atualmente pela produção de mais de 2 milhões de barris/dia, anunciou neste ano um corte de investimentos de cerca de 40 por cento ante o plano anterior, para 130 bilhões de dólares em 2015 e 2019.

No plano, a estatal previu 2,8 milhões de barris/dia até 2020, bem abaixo dos 4,2 milhões de barris estimados no programa de investimentos anterior.

A estatal foi impactada por um escândalo de corrupção investigado pela operação Lava Jato, que apura um esquema fraudulento bilionário que envolveu empresas públicas e privadas e partidos políticos, e também pela queda acentuada dos preços do petróleo.   Continuação...